O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) criticou esta quinta-feira a suspensão de férias decretada aos profissionais do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), afirmando que a medida é “extemporânea” e “contraproducente”, além de “contribuir para o aumento do absentismo”.

Em declarações à agência Lusa, a coordenadora do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) do Distrito de Santarém, Helena Jorge, disse “compreender quando as férias são suspensas em hospitais onde a pressão é muito grande”, tendo feito notar, no entanto, que “essa é uma medida para cada hospital equacionar em termos da sua realidade” e que o Médio Tejo (CHMT) “ainda não tem uma realidade que tenha de suspender as férias dos profissionais” de saúde.

É uma medida contraproducente, principalmente porque os profissionais, alguns, se não tiverem férias, vão ficar exaustos e o absentismo vai aumentar imenso”, disse a dirigente sindical, enfermeira no Hospital de Santarém.

Para a sindicalista, no CHMT, que abarca as unidades hospitalares de Abrantes, Tomar, e Torres Novas, no distrito de Santarém, “ainda é cedo” para tomar uma medida que afirmou ser “extemporânea”. O Conselho de Administração (CA) do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) suspendeu na quarta-feira, e até 31 de janeiro, as férias aos seus cerca de dois mil profissionais.

Em comunicado, o CA do CHMT, afirma ser “absolutamente indispensável e essencial, no particular momento em que nos encontramos, proceder à adoção de uma medida de caráter excecional e temporária de suspensão do gozo de férias”, medida tomada “no âmbito da situação atual de Estado de Emergência e em virtude dos condicionalismos hospitalares e de saúde pública”.

Para Helena Jorge, esta medida “vai contribuir para a exaustão muito rápida dos profissionais” que, “estando extremamente cansados, não dão rendimento, acabam por entrar em burnout e têm de sair dos cuidados na mesma”. A dirigente sindical frisou ainda que a decisão atinge toda a gente por igual, inclusive “quem não teve férias ainda este ano, nem no verão nem nada, e esteve a aguentar o barco até agora”.

Na quarta-feira, a ministra da Saúde admitiu que os profissionais de saúde deverão ter de alterar os seus planos de férias previstos para o Natal e Ano Novo devido à evolução da pandemia de Covid-19.

“Muito provavelmente terá de haver, em função da situação epidemiológica que vivemos, alteração de planos de férias de 2020, como já houve no início do ano”, disse Marta Temido, durante a conferência de imprensa de balanço da epidemia de Covid-19.

A ministra admitiu que esta é “uma decisão difícil” porque “é um esforço adicional que se pede aos profissionais de saúde” assim como se poderá ter de pedir a profissionais de outras áreas.