Dark Mode 165kWh poupados com o Asset 1
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Há quem diga que está perto do Real, há quem diga que está perto do PSG. Mas Ronaldo só conhece uma aproximação: a do golo

Marca garante que está perto do Real, italianos dizem que podem rumar ao PSG. Mas, por, agora, Ronaldo só conhece a aproximação do golo. E marcou os dois da vitória da Juve contra o Cagliari (2-0).

i

O avançado português já leva oito golos esta temporada na Serie A

AFP via Getty Images

O avançado português já leva oito golos esta temporada na Serie A

AFP via Getty Images

Foi uma daquelas notícias em que título apontava numa direção e o texto dava a volta a três rotundas seguidas para depois terminar no caminho oposto. Este sábado, o jornal Marca garantia que Cristiano Ronaldo, nos últimos meses, tem vindo a desenhar uma aproximação ao Real Madrid com vista a um regresso ao Santiago Bernabéu. No fim, porém, o desportivo espanhol ressalvava que a aproximação dificilmente terá frutos — até porque os merengues, normalmente, não dão especial atenção a regressos de antigas estrelas.

Ainda assim, a notícia não deixava de enumerar uma série de pormenores, espalhados pelas semanas já decorridas desde o início da temporada, que acabam por comprovar essa aproximação. O ponto da partida foi a presença no Santiago Bernabéu no passado mês de março, para assistir ao Clássico com o Barcelona — sendo que a Marca garante que o jogador português ligou pessoalmente a Florentino Pérez para pedir um lugar num camarote privado. Depois, a alegria que não escondeu nas redes sociais quando o Real Madrid venceu o Barcelona em Camp Nou, em outubro. E, por fim, as fotografias que tem publicado com antigos colegas que reencontra quando está ao serviço da Seleção, primeiro com o espanhol Sergio Ramos e depois com os croatas Modric e Kovacic.

Ainda assim, e apesar de nada disto ter uma conclusão palpável — até porque dificilmente o Real Madrid vai aceitar o elevado encargo financeiro que representa Cristiano Ronaldo –, torna-se cada vez mais real a ideia que o português poderá estar à procura de uma solução para deixar a Juventus no final da época. Antes dos espanhóis, surgiu a hipótese PSG; e é crescentemente mais confirmada a premissa de que a Juventus vai precisar de cortar na folha salarial devido aos constrangimentos motivados pela pandemia. Contudo, ainda só vamos em novembro. E Ronaldo tem ainda vários objetivos pendentes que pode conquistar pela Juventus esta temporada.

Depois dos compromissos das seleções, a Juventus voltava à Serie A e recebia o Cagliari, que está a meio da tabela, em Turim. Com Buffon na baliza, Andrea Pirlo voltava a deixar Dybala no banco e também deixava Weston McKennie, Bentancur e Chiesa na condição de suplentes, apostando em Arthur, Rabiot e Bernardeschi. À frente, sem grandes surpresas, apareciam Ronaldo e Morata. Do outro lado, destaque para a presença de Giovanni Simeone, filho do treinador do Atl. Madrid, no onze de Eusebio Di Francesco.

Na primeira parte, a Juventus colocou a bola no interior da baliza logo à passagem dos dez minutos iniciais: Rabiot conduziu a partir da direita, Morata rodou com a bola controlada e assistiu Bernardeschi, que rematou para bater Cragno (10′). O lance, porém, foi anulado por fora de jogo do avançado espanhol na altura em que recebeu a bola — um clássico de Morata, que se vê apanhado em fora de jogo mais vezes do que seria normal. O avançar do relógio trouxe um controlo cada vez maior da Juventus, depois de um arranque muito positivo por parte do Cagliari, e a equipa da Sardenha estava encostada à própria grande área, sem grande espaço para a qualidade de Simeone ou João Pedro, que estavam sempre demasiado perdidos na fase ofensiva.

O golo, este a contar, acabou por aparecer já nos últimos minutos antes do intervalo. Num desenho parecido com o do golo anulado a Bernardeschi, Morata também recebeu na grande área, também rodou com a bola controlada mas, desta feita, assistiu Ronaldo na esquerda; o avançado português, dominou, tirou dois adversários da frente e rematou para abrir o marcador (38′). Antes do fim da primeira parte, a Juventus ainda dilatou a vantagem e novamente por intermédio do capitão da Seleção Nacional: canto batido na esquerda, Demiral desvia nas alturas e Ronaldo, totalmente sozinho ao segundo poste, desviou para bisar e chegar aos oito golos esta temporada pelos bianconeri.

Na segunda parte, Di Francesco trocou Tripaldelli por Sottil e o Cagliari voltou a aplicar a intensidade que tinha mostrado nos instantes iniciais: a equipa estava subida no relvado, Simeone estava a ocupar os espaços que lhe correspondem normalmente, sem ser o médio-centro adaptado que tinha sido na primeira parte, e a Juventus recuava conscientemente para depois procurar transições rápidas quando ganhava a bola. Demiral acertou na barra de cabeça (52′), Bernardeschi rematou ao lado depois de uma simulação de Ronaldo (55′) e a equipa de Pirlo, apesar de ter menos bola e menos controlo, tinha as melhores oportunidades.

Até ao fim, Pirlo ainda esgotou as substituições e lançou Dybala, McKennie, Bentancur, Chiesa e Alex Sandro. A Juventus teve várias oportunidades para fechar de vez a partida e não estar refém de um eventual golo do Cagliari que pudesse complicar as contas mas não chegou ao terceiro golo — assim como o Cagliari também não chegou a reduzir a desvantagem. A equipa de Turim venceu, colocou-se ao AC Milan a um ponto da liderança da Serie A (à condição, porque os rossoneri ainda não jogaram) e voltou a depender da eficácia de Cristiano Ronaldo para conquistar mais três pontos. Ronaldo, por seu lado, marcou mais dois golos e tornou-se o primeiro jogador desde 1995 a marcar em cada um dos cinco primeiros jogos da temporada em que participou.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.