Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Já se sabia que Jorge Jesus não ia utilizar os internacionais na estreia do Benfica na Taça de Portugal. Os encarnados apresentaram-se em Paredes completamente remodelados, marcaram um golo e fizeram apenas o suficiente para passar à fase seguinte e quebrar a série de três jogos consecutivos sem vencer. Um Benfica em serviços mínimos, com várias estreias e sem exibições de quem tem de mostrar serviço para ganhar espaço no plantel.

Ficha de jogo

Mostrar Esconder

Parede-Benfica, 0-1

Terceira eliminatória da Taça de Portugal

Cidade Desportiva de Paredes

Árbitro: Vítor Ferreira (AF Braga)

Paredes: Marco Ribeiro, Martins (João Rafael, 59′), Henrique (Gazela, 89′), Amadeu, Meneses, Bangoura, Tójó (Ferraz, 89′), Marcão, Ema, Ismael (Tavares, 80′), Madureira (Caleb, 89′).

Suplentes não utilizados: João Abreu, Drula, Ginho.

Treinador: Eurico Couto.

Benfica: Helton Leite, Gilberto, Jardel, Ferro, João Ferreira (Morato, 90′), Samaris, Chiquinho, Pizzi, Cervi, Gonçalo Ramos (Daniel dos Anjos, 69′), Ferreyra (Tiago Araújo, 69′).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Suplentes não utilizados:  Svilar, Paulo Bernardo, Kalaica, Vukotic.

Treinador: Jorge Jesus

Golos: Samaris (26′)

Ação disciplinar: cartão amarelo a Madureira (26′), Ema (25′), Henrique Santos (29′), Gonçalo Ramos (40′)

 

 

Não havia grande histórico entre Paredes e Benfica antes do jogo deste sábado. Mas na única vez que a equipa nortenha encontrou os encarnados foi também a melhor participação que teve na Taça de Portugal. Em 1985, o Benfica venceu por 3-0 e passou às meias-finais da prova. 35 anos depois, nova paragem em Paredes, desta feita para subir o primeiro degrau da prova.

O Benfica entrava com jogadores estreantes, outros com poucos minutos e uma dupla de avançados completamente nova, com Facundo Ferreyra a ter nova oportunidade para provar que consegue competir por espaço no plantel. Já a equipa do distrito do Porto recebia o finalista vencido da edição da temporada passada com algumas alterações face ao jogo a contar para a sexta jornada da Série C do Campeonato de Portugal.

Foi precisamente o argentino das águias que teve a primeira oportunidade do jogo, logo aos 5 minutos, quando cabeceou por cima da baliza do Paredes, depois de um cruzamento na direita de Pizzi. Seis minutos depois, o companheiro de ataque, o jovem Gonçalo Ramos, tirou também as medidas à baliza dos nortenhos, mas o remate saiu ao lado. O Benfica entrava melhor, com mais bola e não deixava o Paredes chegar perto da área contrária.

E foi depois de um período de pressão encarnada, e longos minutos em que apenas se jogou no meio-campo do Paredes, que chegou o golo. Aos 26 minutos, Franco Cervi bateu um livre na esquerda que caiu direito na cabeça de Samaris. O grego saltou sem pressão e colocou a bola dentro da baliza adversária, sem hipóteses para o guarda-redes Marco Ribeiro.

Quando parecia certo que os encarnados iam continuar a toada de uma exibição tranquila, mas dominadora, sobre a equipa do Campeonato de Portugal, o ritmo de jogo começa a baixar e o Paredes aproveitou. A equipa orientada pelo jovem técnico Eurico Couto chega à baliza à guarda de Helton Leite aos 37 minutos. O guarda-redes encarnado foi obrigado a aplicar-se depois de um remate dentro da área de Ismael.

Até ao final da primeira parte, o Benfica apenas conseguiu chegar com mais perigo à baliza do Paredes através de outra bola parada. Aos 42 minutos, num livre estudado, Pizzi toca para Samaris que desmarca Cervi, mas o argentino foi travado pela saída corajosa de Marco Ribeiro.

Na segunda parte, o Paredes perdeu um pouco mais de respeito pelo Benfica. Os da casa entraram mais calmos, mais certos nos passes e, sobretudo, mais presentes no meio-campo do Benfica. Parecia o abanão de que os jogadores menos utilizados pelos encarnados precisavam para voltarem ao jogo.

Algo que não chegou a acontecer. Aos 69 minutos e depois de um remate desenquadrado de Gonçalo Ramos, Jorge Jesus tira o jovem avançado português e o companheiro de ataque desta noite. Mais uma oportunidade perdida de Facundo Ferreyra. O Chucky, que se tornou um dos jogadores com o maior salário de sempre — 1,9 milhões brutos por época, mais 2 milhões de prémio de fidelidade por ano, mais 2 milhões de prémio de assinatura –, quando chegou a custo zero do Shakthar em 2018, perdeu mais uma chance para pertencer às contas.

Os jovens Tiago Araújo e Daniel dos Anjos juntavam-se a Helton Leite e João Ferreira como estreantes pelos da Luz. E foi esta a maior nota de destaque da segunda metade da partida. Os mais novos não melhoraram o jogo dos encarnados e o ritmo ficou mais lento à medida que o relógio passava em Paredes. Os da casa conseguiram equilibrar o jogo, mas certo é que também não chegavam a causar grande perigo à baliza do Benfica que, por sua vez, controlou o jogo e fez os mínimos para subir o primeiro degrau das escadas até ao Jamor. Jorge Jesus lançou jogadores com menos minutos, mas pode não ter saído de Paredes com as respostas para as alternativas que procuraria.