Macau recebeu em outubro quase 600 mil visitantes, mais 29,6% do que no mês anterior, um decréscimo ainda assim de 81,9% em termos anuais, com as fronteiras praticamente fechadas devido à pandemia, anunciaram esta terça-feira as autoridades.

De acordo com um comunicado da Direção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC), divulgado esta terça-feira, no mês passado “chegaram a Macau 581.986 visitantes”, 308.222 turistas e 273.764 excursionistas.

A maioria era oriunda do interior da China (539.482), tendo 174 mil visitantes vistos individuais, cuja emissão, suspensa desde o início da pandemia, foi retomada em meados de agosto.

Mais de 282 mil visitantes eram oriundos das nove cidades do Delta do Rio das Pérolas da Grande Baía, sendo quase metade destes (48,2%) provenientes da cidade vizinha de Zhuhai.

De Hong Kong chegaram 37.909 visitantes e de Taiwan 4.574, segundo a nota.

As restrições às viagens, instauradas para combater a pandemia de Covid-19, tiveram impacto igualmente na diminuição do número de visitantes chegados de avião, com apenas 26.778 pessoas a entrarem no território por via aérea e 11.711 por via marítima.

A esmagadora maioria das entradas fizeram-se por via terrestre (543.497).

Nos dez primeiros meses do ano, a DSEC indicou que entraram no território cerca de 4,6 milhões de visitantes, menos 86,2% do que no período homólogo do ano passado.

O número de turistas caiu 86,6% no mesmo período.

No ano passado, Macau, cuja economia depende fortemente do turismo, recebeu quase 40 milhões de visitantes.

O território registou o primeiro caso de Covid-19 no final de janeiro, contabilizando até terça-feira apenas 46 casos, nenhum dos quais ativos.

Apesar disso, Macau, que fechou as fronteiras a estrangeiros em 18 de março, continua a limitar a entrada no território a cidadãos chineses.

As autoridades anunciaram, no entanto, o levantamento de restrições à entrada de estrangeiros que tenham permanecido na China continental nos 14 dias anteriores, a partir de 01 de dezembro, por motivos excecionais, como reunião familiar, e mediante pedido prévio aos Serviços de Saúde.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.388.590 mortos resultantes de mais de 58,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.