O peru “Corn” (“Milho”) está a salvo do forno por causa do “perdão” do Presidente dos Estados Unidos, uma tradição que ocorre anualmente pela altura do Dia de Ação de Graças, que este ano vai decorrer em plena pandemia.

“O Dia de Ação de Graças é um dia especial para os perus, não muito bom para a maioria [destes animais] se refletirem sobre o assunto”, disse o republicano Donald Trump, durante a anual cerimónia que “perdoa” uma destas aves que estava destinada a ser consumida como prato principal deste feriado norte-americano. Contudo, este ano o Dia de Ação de Graças deverá ocorrer em moldes diferentes de anos anteriores para milhões de norte-americanos, por causa da pandemia.

As autoridades sanitárias dos Estados Unidos pediram à população para ficar em casa, numa altura em que o número de infeções está a aumentar drasticamente, naquele que é o país mais afetado pelo novo coronavírus e onde já morreram quase 260 mil pessoas.

“Estamos gratos pelas vacinas e pelas terapêuticas que em breve acabarão com a pandemia”, acrescentou Trump, depois de um agradecimento dirigido aos profissionais de saúde, assistentes sociais e investigadores. O acesso a uma vacina, que a atual administração prevê que possa chegar a partir da próxima semana, “é uma sensação incrível”, prosseguiu Trump, momentos antes de conceder a “graça completa” a “Corn”.

“Corn” foi “perdoado” depois de vencer uma votação que decorreu através da rede social Twitter. Contudo, o segundo classificado, “Cob” (“Espiga”) nesta votação também será perdoado, tal como dita a tradição. Os dois perus foram criados em Walcott, no Iowa, e passarão o resto dos seus dias na Universidade Estatal do Iowa, onde viverão uma vida “muito longa, feliz e memorável”, considerou Trump.