De Maranello chegam boas notícias para os amantes de track days. Há um novo “brinquedo” para explorar ao máximo em circuito: o 488 GT Modificata é a mais recente criação da Ferrari para uso exclusivo em pista, tendo por base o que de melhor já oferecem o 488 GT3 e o 488 GTE, em termos tecnológicos.

A marca do Cavallino Rampante informa que se trata de uma edição limitada, sem precisar o número “mínimo” de unidades que serão produzidas. Sabe-se, isso sim, é que os engenheiros dedicaram especial atenção ao motor, agora sem o constrangimento do sistema BOP (balance of performance) imposto pela Federação Internacional do Automóvel.

Em resultado disso, certos componentes foram redesenhados e o V8 biturbo passa a debitar agora 700 cv, podendo a entrega de potência e de binário ser regulada por diferentes relações de transmissão e pela embraiagem em fibra de carbono. De resto, este é o material de eleição para praticamente toda a carroçaria do superdesportivo (exceptuando tejadilho), visando não só um baixo peso, como acontece no GTE, mas também uma maior eficácia aerodinâmica. E os números falam por si: a 230 km/h, a downforce gerada pelo 488 GT Modificata é superior a 1000 kg. Para tal, o centro de pressão foi deslocado para a frente, o que permite ao superdesportivo italiano ser menos sensível a mudanças no ângulo da asa traseira.

Chegado o momento de travar, a eficácia também está garantida, assegura a Ferrari. O construtor desenvolveu com a Brembo um sistema de travagem que, à partida, limitará o chamado fading, isto é, a perda de eficiência decorrente do aumento da temperatura e desgaste.

Destinando-se à competição, este Ferrari vem equipado de série com V-Box e telemetria Bosch, sistema para medir a pressão e a temperatura dos pneus, entre outros itens. Ainda assim, a marca recorda que quem quiser pode personalizar a sua unidade como bem entender (e pagar por isso).