O número de internamentos voltou a subir de acordo com os dados divulgados esta quarta-feira no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS): mais 63 internamentos, depois de se terem registado menos 67 no dia anterior. Assim, o número total de internamentos (3.338) voltou a aproximar-se do máximo atingido na segunda-feira, com 3.342.

O número de internados nos cuidados intensivos também voltou ao mesmo de segunda-feira (525): depois de ter descido quatro, subiu quatro esta quarta-feira.

O número de pessoas recuperadas da infeção esta quarta-feira — 2.569 — não chegou para baixar o número de casos ativos. Há mais 747 casos ativos, num total de 75.755 infeções. Na terça-feira, os números foram bem diferentes, houve 7.935 pessoas que recuperaram da infeção e menos 5.606 casos ativos do que no dia anterior. Ainda assim, o número de casos ativos continua inferior ao de 8 de novembro.

Mais 68 mortes em 24 horas

Nas últimas 24 horas houve 3.384 novos casos de infeção com o SARS-CoV-2, mas ainda assim longe dos mais de 6.300 casos registados no dia 26 de novembro (quinta-feira passada). Registam-se assim mais 983 novos casos do que no dia anterior, depois de cinco dias com o número de novos casos em queda.

Esta queda no número de casos coincidiu com o primeiro fim de semana de proibição de deslocação para fora do concelho e com o terceiro de recolher obrigatório para as zonas com o risco mais elevado de contágio. Neste momento, ainda não é possível afirmar se a diminuição do número de novos casos é resultado das medidas em vigor ou de uma potencial redução do número de testes nestes dias.

Esta quarta-feira, contabilizaram-se mais 68 mortes por Covid-19 — menos quatro do que as reportadas na terça-feira. No total, Portugal já registou um 303.846 infeções e 4.645 mortes.

Mais de 50% dos novos casos e mortes no Norte

A região Norte continua a registar a maior parte dos novos casos e mortes em 24 horas. Esta quarta-feira, o boletim epidemiológico da DGS reportou 1.857 novos casos na região Norte (cerca de 55% do total) e 36 mortes (53%). No total, esta região já registou 159.642 casos de infeção com SARS-CoV-2 e 2.218 mortes devido à Covid-19. Esta quarta-feira, o Norte registou mais 557 casos diários e menos sete mortes do que no dia anterior.

A região de Lisboa e Vale do Tejo é a segunda região do país com maior número de novos casos (28% do total) — cerca de metade da região Norte e mais do dobro da região Centro. São 939 novos casos, mais 401 do que no dia anterior, num total de 100 mil desde o início da pandemia. Registaram-se 23 mortes (34%), num total de 1.646 nesta região.

A região Centro é a terceira com mais novos casos e mortes, ainda que represente apenas cerca de um terço de Lisboa, mas muito superior às outras duas regiões do continente. São 401 novos casos (12%), num total de 30.426, e sete mortes (10%), das 590 registadas desde o início da pandemia.

Nas restantes regiões registaram-se 85 novos casos no Alentejo, 74 no Algarve, 22 nos Açores e seis na Madeira. Destas regiões, só se registaram mortes no Alentejo (2).

60% dos mortos eram homens

Entre os novos casos de infeção nas últimas 24 horas, 1.901 são mulheres (56%) e 1.461 são homens. No total, já houve 164.601 mulheres infetadas e 134.042 homens, mas ainda restam 5.203 casos sobre os quais não existe indicação em relação ao género.

A faixa etária dos 40-49 anos é a que regista mais novos casos — 362 nas mulheres e 261 nos homens. Mas, em geral, a maior parte dos casos registam-se entre os 20 e os 59 anos — população adulta em idade ativa.

De referir que há 228 novos casos entre crianças até aos nove anos e 446 nos idosos com mais 70 anos.

A larga maioria das mortes registadas nas últimas 24 horas referem-se a doentes Covid-19 com mais de 70 anos: 35 homens (16 entre os 70-79 anos e 19 com mais de 80) e 27 mulheres (25 das quais com mais de 80 anos). As mulheres não registaram nenhuma morte abaixo dos 70 anos.

Mais de metade das mortes (60%) aconteceram entre os homens, das quais seis abaixo dos 70 anos: dois homens entre os 40-49 anos e quatro entre os 60-29 anos.