Uma empresa portuguesa de painéis solares termodinâmicos aumentou para 80% a percentagem de fornecedores de componentes nacionais para a construção dos seus sistemas, revelou esta quarta-feira o CEO da fábrica instalada na Póvoa de Varzim, Luís Rocha.

A pandemia da Covid-19, nomeadamente a fase de confinamento, colocou em evidência a necessidade de as empresas diversificarem fornecedores. Foi exatamente neste contexto que a empresa 100% portuguesa Energie, produtora de painéis solares termodinâmicos, iniciou a procura de novos fornecedores de componentes que são utilizados nos sistemas solares”, argumenta o responsável da empresa, citado pelo comunicado.

Explicando que “a propagação do novo coronavírus desencadeou uma situação de crise nas cadeias de abastecimento a nível global”, a empresa sentiu “dificuldades em importar peças e componentes” nos “primeiros tempos da primeira vaga da pandemia” justificado pelo “encerramento de algumas fronteiras”.

Dando conta de que “70% das componentes utilizadas no fabrico dos sistemas solares” provêm do exterior, Luís Rocha relatou que a solução foi o recurso ao mercado interno.

Sabíamos que viria uma segunda vaga e que continua a não existir uma ideia concreta da dimensão que a pandemia vai assumir durante o inverno” e, por causa disso, a empresa foi à procura de “empresas portuguesas” capazes de assegurar o fornecimento, “na certeza de que esta proximidade implicará menos riscos durante períodos mais críticos da pandemia”.

De acordo com Luís Rocha, a qualidade dos componentes e o preço praticado pelas empresas nacionais “são competitivos”.

Conseguimos arranjar soluções que garantem competitividade em relação a outros importadores. Tanto mais que, atualmente, 80% dos componentes utilizados na produção dos sistemas solares termodinâmicos Energie são made in Portugal”, disse.

Fundada em 1981, a empresa localizada na Zona Empresarial de Laúndos, na Póvoa de Varzim, “produziu em 2019 cerca de 10 mil painéis solares e exportou para cerca de 50 países, entre Espanha, França, Itália, Dubai ou Austrália” acrescenta o comunicado.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.460.018 mortos resultantes de mais de 62,7 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 4.505 pessoas dos 298.061 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.