O Azerbaijão anunciou esta quinta-feira a morte de 2.783 soldados seus durante seis semanas de combates entre as forças azeris e os arménios na autoproclamada república de Nagorno-Karabakh.

Em comunicado, o Ministério da Defesa do Azerbaijão revelou que “2.783 soldados das forças armadas do Azerbaijão morreram na guerra patriótica”, acrescentando que cerca de outros 100 estavam desaparecidos.

Até ao momento, Baku não tinha comunicado as suas perdas militares, fornecendo apenas o número de vítimas civis azeris, de 93 mortes.

Por seu lado, a Arménia relatou a morte de mais de 2.300 soldados em meados de novembro, assim como de 50 civis arménios.

Cerca de 90.000 pessoas, cerca de 60% da população de Nagorno-Karabakh, fugiram deste enclave montanhoso durante o conflito.

Um acordo de cessar-fogo assinado em 9 de novembro entre Baku e Erevan sob patrocínio russo encerrou as seis semanas de hostilidades que começaram em 27 de setembro.

Este acordo consagrou a vitória do Azerbaijão e concedeu ao país importantes ganhos territoriais, mas permitiu a sobrevivência de Nagorno-Karabakh.

Esta região, povoada principalmente por arménios, separou-se do Azerbaijão depois de uma guerra na década de 1990 que fez 30.000 mortos.