Foi lançada uma campanha de angariação de fundos para transformar a casa de Oxford onde J.R.R. Tolkien viveu durante 17 anos num museu dedicado ao autor de O Senhor dos Anéis. A iniciativa, o Project Northmoor, recebeu o apoio dos atores Ian McKellen, Martin Freeman e John Rhys-Davies, que participaram nas adaptações cinematográficas da obra de Tolkien. Outras personalidades públicas, como Annie Lennox, participaram também num vídeo onde apelam ao apoio dos fãs espalhados pelo mundo inteiro.

A campanha foi lançada pela escritora britânica Julia Golding. O objetivo é reunir 4,5 milhões de libras (4,98 milhões de euros), o valor necessário para comprar a casa e recuperar o edifício e o jardim, de que Tolkien tanto gostava. A ideia é mostrar como era o espaço no tempo do escritor. A iniciativa não está relacionada com o Tolkien Estate, que gere o património do escritor.

O autor viveu no número 20 da Northmoor Road, em Oxford, entre 1930 e 1947. Foi nesta cada que escreveu O Hobbit e onde começou a trabalhar em O Senhor dos Anéis. É por isso que, apesar de Tolkien ter vivido noutras casas, Northmoor Road é “a mais especial”. Foi também onde os filhos cresceram e onde a família passou a Segunda Guerra Mundial.

O dinheiro para comprar a casa, que será transformada no primeiro centro museológico dedicado ao autor de O Senhor dos Anéis, tem de ser angariado em três meses, o prazo que Golding conseguiu negociar com os donos do edifício até que este seja colocado no mercado. É a primeira vez, em vários anos, que a casa está à venda.

Livro com ensaios inéditos de Tolkien sobre a Terra Média publicado em 2021

“Angariar o valor em três meses é um grande desafio”, admitiu Julia Golding. “Contudo, temos de olhar para a viagem do Frodo e do Sam de Rivendell para a Montanha da Perdição, que demorou o mesmo tempo — ficaremos inspirados a pensar que também conseguimos fazer isto”, disse, citada pelo The Guardian.