Os antigos presidentes norte-americanos Barack Obama, George W. Bush e Bill Clinton mostraram-se disponíveis para serem vacinados publicamente contra a Covid-19, avança a CNN. A transmissão televisiva do ato pretende aumentar a confiança do povo norte-americano face à vacinação e só será possível assim que a FDA (Food and Drug Administration), a agência federal responsável pelo controlo e supervisão do setor alimentar e farmacêutico, aprovar a administração de uma vacina.

O chefe de gabinete de Bush, Freddy Ford, confirmou à CNN que o ex-presidente já contactou o epidemiologista Anthony Fauci, diretor do instituto norte-americano de Alergias e Doenças Infeciosas, e Deborah Birx, coordenadora de resposta à Covid-19 da Casa Branca, para perceber como pode ajudar a promover a vacina.

“Quando a altura chegar”, comentou Ford, Bush vai querer “ajudar a encorajar os cidadãos” a optarem pela vacinação. Para que isso aconteça, as vacinas têm de ser primeiramente consideradas seguras e administradas aos grupos prioritários.

O mesmo foi assegurado pelo assessor de Bill Clinton, que adiantou na quarta-feira que o ex-presidente também está disposto a ser vacinado em público “assim que a vacina esteja disponível”. Semelhante afirmação foi a de Barack Obama que, numa entrevista a ser emitida esta quinta-feira, admitiu ter absoluta confiança em Anthony Fauci.

“Confio completamente em pessoas como o Anthony Fauci, que conheço e com quem já trabalhei. Se Anthony Fauci diz-me que esta vacina é segura (…), garantidamente que a vou tomar”, afirmou Obama. “Prometo que a vou tomar quando estiver disponível para pessoas que correm menos riscos.” O ex-presidente sucedido por Donald Trump afirmou ainda a possibilidade de tomar a vacina na televisão ou de filmar o ato “para que as pessoas saibam que confio na ciência”.