Os surtos de Covid-19 em dois centros infantis de Évora são a principal preocupação das autoridades e o motivo do aumento do número de infeções ativas no concelho, que ronda as 400, disse hoje o presidente do município.

“Os principais surtos são em duas creches, uma delas com 62 casos e a outra com 17”, indicou o autarca de Évora, Carlos Pinto de Sá, em declarações à agência Lusa.

Estes surtos “têm muitos casos ativos” e continuam a ser “acompanhados pela Autoridade de Saúde Pública”, sublinhou, assinalando que os dados mais recentes recebidos pela câmara municipal mostram que ambos “começam a estar controlados”.

Pinto de Sá realçou que o concelho de Évora tem “outros surtos mais pequenos”, com menos casos, nomeadamente com origem numa escola profissional, no Hospital do Espírito Santo de Évora e na corporação de bombeiros.

Estão a ser também acompanhados no sentido de se conseguir evitar que o número de contágios possa aumentar”.

Segundo o mais recente relatório da situação epidemiológica, divulgado na quinta-feira à noite pela autarquia, o município tem 392 casos ativos de Covid-19.

O relatório mostra que desde o início da pandemia já foram infetadas no concelho 758 pessoas, das quais 363 já recuperaram da Covid-19 e três morreram.

Portugal contabiliza pelo menos 4.724 mortos associados à Covid-19 em 307.618 casos confirmados de infeção, segundo o mais recente boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país está em estado de emergência desde 9 de novembro e até 8 de dezembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado.

Durante a semana, o recolher obrigatório tem de ser respeitado entre as 23h00 e as 05h00, enquanto nos fins de semana e feriados a circulação está limitada nos concelhos de maior risco entre as 13h00 de sábado e as 05h00 de domingo, e entre as 13h00 de domingo e as 05h00 de segunda-feira.