O cirurgião plástico Francisco Ibérico Nogueira foi condenado na quarta-feira a pagar uma indemnização de 150 mil euros. Em causa está uma intervenção que desfigurou uma cliente, avança a SIC Notícias.

Segundo noticiado, a cliente teve de ser submetida a várias cirurgias no Hospital Santa Maria depois de ter ficado desfigurada. O cirurgião foi absolvido pelo Tribunal de Primeira Instância e pelo Tribunal da Relação, mas foi esta quarta-feira condenado pelo Supremo Tribunal de Justiça ao pagamento de uma indemnização por danos não patrimoniais.

O caso aconteceu há mais de 25 anos, em 1994, quando a mulher de 45 anos se submeteu a uma cirurgia para “rejuvenescer o rosto”. Na altura, foi-lhe aplicado um produto que lhe viria a causar uma infeção generalizada, na sequência de outras intervenções estéticas.

À SIC Notícias, o conhecido cirurgião plástico diz ser vítima de uma injustiça e que a infeção da cliente nada tem a ver com o seu tratamento.

Após o meu tratamento, a paciente esteve nove anos sem problema nenhum e teria continuado sem problemas nenhuns se não tivesse sido submetida a um tratamento agressivo e que foi feito sem quaisquer cuidados”, afirma.

No acórdão, o Supremo Tribunal afirma que nas cirurgias estéticas o “médico tem o dever de chamar à atenção do paciente para prognósticos mais pessimistas”. No entanto, o cirurgião diz que “em 1994, não havia no mundo nenhum caso publicado que mostrasse qualquer tipo de complicação” com o produto utilizado.

Francisco Ibérico Nogueira, de 69 anos, é bisneto, neto e filho de médicos. Licenciou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, depois foi para o Brasil fazer a especialidade em Ginecologia e foi naquele país que descobriu o gosto pela cirurgia plástica. Conta já com cerca de 35 anos de experiência na área.