Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O PSG-Basaksehir será retomado esta quarta-feira, a partir das 17h55, mas nem por isso as notícias e as reações em torno do que se passou na véspera acalmou e, desta feita, é mesmo o principal protagonista do caso de racismo, o quarto árbitro romeno Sebastian Coltescu, a tomar uma posição sobre o que aconteceu por via indireta.

Jogo entre PSG e Basaksehir retomado na quarta depois da saída de campo dos turcos por insulto racista do quarto árbitro

De acordo com o jornal local ProSport, o internacional ligou à família para dar explicações sobre o sucedido, tendo destacado nessa conversa que não se revê nas acusações de que tem sido alvo. “Só tento ser uma boa pessoa. Não vou ler jornais nos próximos dias. Qualquer pessoa que me conheça sabe que não sou racista. Pelo menos, assim o espero”, terá referido nessa chamada com familiares, neste caso citado pelo jornal Marca.

Descida, dramas pessoais e a “intervenção direta em todos os resultados”: quem é Sebastian Coltescu, o árbitro acusado de racismo

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Já Ovidiu Hategan, árbitro principal do encontro no Parque dos Príncipes, explicou ao europe1.fr o porquê de não poder fazer comentários sobre o que aconteceu. “Não podemos fazer qualquer declarações, primeiro temos de falar com a UEFA. Em condições normais respondia mas esta noite [de terça-feira] não posso. É evidente que estamos desolados mas respeitem o nosso silêncio e entendam a situação”, destacou o internacional romeno.

“‘Negro, sai daí. Vai-te embora’. E expulsou-o”, diz Rafael. UEFA promete “investigação detalhada” ao que aconteceu no PSG-Basaksehir

Os árbitros não podem fazer comentários, o governo romeno já os fez e através do ministro dos Desportos, Ionut Stroe. “Pedimos desculpa em nome do desporto romeno por este incidente desafortunado. Condenamos com firmeza qualquer tipo de expressão ou declaração que possa ser considerada racista ou discriminatória. O desporto tem de ser algo completamente distinto, de trabalho, ambição e jogo limpo. Espero que não cheguemos a um escândalo diplomático. Que a UEFA apure a verdade do que se passou e tome medidas”, disse à EFE.

Do músculo de Marega ao “Black Live Matters” de Neymar, “Webó, estamos contigo”: as reações após o PSG-Basaksehir