Os atores Flávio Hamilton, Sandra Faleiro e Sérgio Praia venceram a principal categoria do XIII Prémio Atores de Cinema da Fundação GDA (Gestão e Direitos do Artistas), foi esta quarta-feira anunciado.

No ano em que a Fundação GDA decidiu triplicar o número de distinguidos por categoria, enquanto melhor Ator/Atriz Principal Flávio Hamilton foi premiado pelo desempenho em “Tiago”, realizado por Francisco Manso, Sandra Faleiro pela interpretação de Leonor, em “A Herdade”, de Tiago Guedes, e Sérgio Praia pelo papel em “Variações”, um trabalho de João Maia baseado na vida de António Variações.

A Fundação GDA, que anunciou os prémios ‘online’, decidiu ainda prestar um tributo ao ator Filipe Duarte. Falecido em abril, o ator foi distinguido com o prémio Melhor Ator Secundário, pela sua interpretação como Fernando Ataíde, amigo e amante de António Variações, no filme “Variações”.

Nesta ocasião aproveitamos para prestar uma sentida homenagem ao trabalho e talento de Filipe Duarte, que nos deixou prematuramente quando estava a atravessar um dos melhores momentos da sua carreira”, afirmou o diretor-geral da Fundação GDA, Mário Carneiro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Premiados como Melhor Ator/Atriz Secundário foram ainda João Pedro Mamede, pela interpretação de Miguel em “A Herdade”, e Catarina Wallenstein, que deu corpo à personagem Lili, uma artista de cabaret, na longa-metragem “Mar”, de Margarida Gil.

Na edição deste ano dos prémios de cinema da Fundação GDA foram ainda distinguidos, na categoria Novos Talentos, Igor Regala, pela interpretação de jovem pugislista em “Gabriel”, o primeiro filme de Nuno Bernardo, Beatriz Brás e Ana Vilela da Costa, que deram corpo às personagens de Teresa e Rosa, respetivamente, em “A Herdade”.

Os galardões contemplam um montante de 3.000 euros para os vencedores da categoria de Melhor Ator/Atriz Principal, 2.000 euros para a de Ator/Atriz Secundário, e de 1.000 euros para Novos Talentos.

Devido à pandemia de Covid-19, a edição deste ano dos prémios criados em 2008 decorre, pela primeira vez, sem a habitual cerimónia pública de entrega dos galardões e sem as Jornadas de Trabalho para o Ator que costumam antecedê-la.

A GDA — Gestão dos Direitos dos Artistas é a entidade que em Portugal gere os direitos de propriedade intelectual de músicos, atores e bailarinos enquanto a fundação com o mesmo nome visa valorizar o trabalho dos artistas, promover o desenvolvimento humano e cultural destes, bem como protegê-los a nível social.

Este ano, integraram o júri Natália Luíza, Pompeu José e Rita que avaliaram a interpretação de colegas nas produções cinematográficas de longa-metragem portuguesas, de ficção, estreadas comercialmente em sala entre 01 de janeiro e 31 de dezembro de 2019.