Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Encerrada a fase de grupos da Liga dos Campeões, estão decididas as 16 equipas que vão prosseguir para os oitavos de final da competição, as oito equipas que caíram para a Liga Europa e as outras oito que ficam de fora das provas europeias. Ou seja, já são conhecidos os possíveis adversários do FC Porto, na próxima fase da Champions, e também os possíveis adversários do Sp. Braga e do Benfica, ambos já apurados para os 16 avos de final da Liga Europa.

Otávio tem nome de imperador mas sabe muito bem como ser deus grego (a crónica do Olympiacos-FC Porto)

Em resumo, e por ter terminado em segundo do grupo, atrás do Manchester City, o FC Porto não é cabeça-de-série no sorteio da próxima segunda-feira, em Nyon, e pode calhar com os adversários mais poderosos que estão em jogo. Bayern Munique, Real Madrid, Liverpool, Chelsea, Borussia Dortmund, Juventus e PSG são as equipas que podem emparelhar com os dragões — que, obviamente, não pode voltar a defrontar os citizens nesta fase.

Já Benfica e Sp. Braga, que ainda jogam esta quinta-feira a última jornada da fase de grupos da Liga Europa contra Standard Liège e Zorya, respetivamente, vão receber na segunda competição europeia o Manchester United, Club Brugge, Ajax, Shakhtar Donetsk, Krasnodar, Dínamo Kiev, RB Salzburgo e Olympiacos. Tanto encarnados como minhotos estão nesta altura no segundo lugar dos respetivos grupos: se assim terminarem, cruzam com os quatro primeiros do lote; se inverterem a situação e terminarem em primeiro, cruzam com os quatro últimos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Depois do jogo desta quarta-feira contra o Olympiacos, em que o FC Porto venceu pela primeira vez em Pireu, Sérgio Conceição igualou Jesualdo Ferreira enquanto treinador com mais partidas nas competições europeias pelos dragões. A equipa azul e branca terminou a fase de grupos com 13 pontos — quatro vitórias, um empate e uma derrota — e apenas sofreu golos numa das jornadas, no Etihad, contra o Manchester City. Na sequência de um início de participação europeia positiva, Conceição recordou que os dragões nunca olharam para a visita à Grécia sem preocupação, mesmo estando desde já apurados para a fase seguinte.

“Não olhamos para registos mas sim para o jogo e cada um tem a sua história. Preparámos este com toda a seriedade do mundo, não dando prendas a nenhum jogador, os jogadores é que vão buscar as prendas na prestação diária de cada um. Eles estão de parabéns. Das 16 equipas apuradas, há duas que não pertencem aos quatro principais campeonatos da Europa e isso é de valorizar, com este ciclo de jogos e densidade competitiva”, explicou o treinador português, aliando o FC Porto ao do PSG, as únicas duas equipas qualificadas que não são de Inglaterra, Espanha, Alemanha ou Itália.

Sérgio Conceição recordou ainda que este é um “ano atípico” e que os jogadores “tiveram pouco mais de duas semanas de férias”. “Os jogos acumulam-se e prepará-los é mais difícil. Há que fazer gestão inteligente e criativa dos jogadores. O trabalho diário é o mais importante”, disse, comentando depois a importância de Diogo Costa, jovem guarda-redes, no lance do segundo golo do FC Porto. “Faz parte da estratégia, perceber onde devemos ferir o adversário. Mesmo no primeiro golo foi fantástica a forma como atacámos o primeiro poste [que deu origem ao penálti]. Sabendo onde atacar em cada zona do campo. Os pormenores a este nível fazem a diferença”, concluiu o técnico.

Já Otávio, que foi capitão de equipa na ausência de Sérgio Oliveira e abriu o marcador de grande penalidade ainda na primeira parte, garantiu que “é sempre especial” ter a braçadeira do FC Porto. “Fico muito feliz por ter marcado, mas especialmente pelo trabalho da equipa. É um belo triunfo e estamos apurados. O pessoal que chega é muito humilde, acho que damos tranquilidade para todos jogarem. Fizemos um excelente jogo. O que importa é toda a gente estar bem. Agora é descansar e pensar no próximo jogo”, disse o médio brasileiro, que sublinhou ainda a importância de Pepe na comitiva, mesmo não estando ainda apto para jogar. “O Pepe é capitão não só dentro de campo mas também fora dele. E no estádio está sempre a apoiar-nos. Ficamos felizes por estar sempre connosco”, terminou.