Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Italianos e franceses deram as mãos para produzir um veículo de duas rodas que agradasse a ambos os fabricantes. Se a Alpine é um nome com história na indústria automóvel, fruto de ter vencido o primeiro campeonato global de ralis em 1973, com o A110, a MV Agusta não lhe fica atrás em pedigree, tendo vencido 16 campeonatos do mundo na categoria 500, entre 1956 e 1973.

Da colaboração entre as duas marcas desportivas, nasceu a MV Agusta Superveloce Alpine, modelo de que apenas vão ser fabricadas as 110 unidades da edição limitada. Além da decoração específica, a recuperar os tons de azul que caracterizam a Alpine, é ainda evidente o assento revestido a Alcantara.

O motor é o três cilindros com 798 cc da casa italiana, que fornece em condições normais 147 cv. Mas com o recurso a um kit, que inclui um escape da Arrow e uma unidade de gestão do motor revista, a potência é incrementada para 153 cv. O sistema de travagem desenvolvido pela Brembo, o braço traseiro da suspensão em alumínio e os pneus Pirelli Diablo Rosso Corsa também fazem parte do kit.

Para o CEO da MV Agusta, Timur Sardarov, a associação entre os dois construtores justifica-se “porque há muitos clientes da Alpine que adoram as motos da MV Agusta e vice-versa”.

A MV Agusta Superveloce Alpine será proposta por 36.300€, incluindo o racing kit. Resta saber se a Alpine irá produzir uma versão especial do seu A110, baptizado MV Agusta.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR