Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

11 jogos. Há 11 jogos consecutivos que o Sporting não perde. Ou seja, desde a derrota contra o LASK, que significou a eliminação precoce dos leões das competições europeias, que o Sporting não perde. Quer isto também dizer, portanto, que o Sporting ainda não perdeu nas competições internas — Primeira Liga, Taça de Portugal e Taça da Liga.

Daniel, o novo príncipe da dinastia de Bragança que desatou um nó que estava bem amarrado (a crónica do Sporting-Mafra)

A vitória desta terça-feira contra o Mafra, em Alvalade, apurou a equipa de Rúben Amorim para a final four da Taça da Liga pelo quarto ano consecutivo e ainda engordou um dado estatístico que os leões têm vindo a registar desde o início da temporada. O Sporting voltou a marcar duas vezes e prolongou novamente o hábito de fazer sempre, pelo menos, dois golos em cada um dos jogos das competições nacionais. Os leões levam agora 35 golos em 12 jogos.

Aos registos coletivos acrescem os registos individuais. A começar por Rúben Amorim, que continua invicto na Taça da Liga e vai regressar à final four da competição que na época passada conquistou ao serviço do Sp. Braga. Depois, Bruno Tabata marcou pelo segundo jogo consecutivo e já leva mais golos neste arranque de temporada pelo Sporting do que em todo o ano passado com o Portimonense. Nuno Mendes fez a primeira assistência pela equipa principal leonina, Daniel Bragança realizou uma exibição muito positiva, Sporar encerrou uma série de cinco jogos consecutivos sem marcar e Gonzalo Plata aproveitou a oportunidade para assistir pela primeira vez este ano. Pelo meio, em sentido oposto, Pedro Gonçalves ficou em branco e encerrou uma série de seis jogos seguidos a fazer golo — o médio ex-Famalicão voltou ao onze depois de cumprir castigo contra o P. Ferreira mas assinou uma prestação bastante discreta.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na flash interview, o adjunto Emanuel Ferro — Rúben Amorim continua castigado — explicou que este era um jogo para o Sporting “ganhar e resolver”. “Com o intuito de estar numa final four que era muito importante para nós. Vencemos de forma clara, com o domínio completo sobre o adversário. A nossa ideia foi conseguida. É certo que os golos surgiram na segunda parte, mas o jogo foi todo dominado por nós. É de louvar a forma como o Mafra se apresentou aqui, com um jogo de posse, e chegou a ter sucesso algumas vezes, mas nós fomos ajustando. A linha defensiva esteve muito bem. Sabíamos que iria ser assim e respondemos da melhor forma”, acrescentou, comentando depois a juventude do onze apresentado pelos leões.

“O jogo exigia muita competência, rigor, e eles estiveram à altura disso. Isto só vale a pena se toda a gente estiver envolvida e capaz de dar a melhor resposta quando é chamada. Não interessa a juventude, mas sim a forma como encarámos o jogo”, concluiu. Daniel Bragança, um dos jovens que mereceu a aposta de Rúben Amorim, também falou depois da partida e garantiu que faz tudo “em prol da equipa”. “Quero aproveitar as oportunidades que surgem. Nós temos uma equipa com muita qualidade, com jovens e mais velhos, que nos ajudam a crescer. Estamos a fazer uma grande época e queremos continuar nesse caminho. O nosso objetivo é ir à procura de ganhar tudo. Sabemos que não é fácil, mas estamos no caminho certo”, atirou o médio formado em Alcochete.