As autoridades de saúde da Suécia, que optaram por não impor um confinamento nacional em resposta à primeira onda da pandemia do novo coronavírus, avaliaram mal o poder do ressurgimento do vírus, disse, esta terça-feira, 15 de dezembro, o primeiro-ministro do país.

Eu penso que a maioria das pessoas da área (da saúde) não conseguiu ver o poder da tal onda, eles falaram sobre diferentes ‘clusters”, disse o primeiro-ministro sueco, Stefan Lofven, ao jornal Aftenposten.

Lofven, que lidera o Governo de minoria de esquerda da Suécia, fez estas declarações antes de uma comissão que examinou a forma como a Suécia lidou com a pandemia divulgar as suas conclusões preliminares.

A estratégia definida pelas autoridades de saúde suecas no combate à pandemia da Covid-19 foi revista esta terça-feira. Número de casos e mortes confirmadas influenciou a decisão.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A agência de estatísticas da Suécia disse na segunda-feira que registou um total de 8.088 mortes por diversas causas em novembro — a maior mortalidade já registada no país escandinavo desde o primeiro ano da gripe espanhola, que assolou o mundo de 1918 a 1920.

Em novembro de 1918, 16.600 pessoas morreram no país escandinavo, disse Tomas Johansson, da Statistics Sweden.

A Suécia teve até agora 320.098 infeções devido ao novo coronavírus e 7.514 mortes relacionadas, um número de mortes muito mais alto do que os vizinhos Noruega, Finlândia ou Dinamarca.

No outono, a Suécia viu um rápido aumento de novos casos do SARS-CoV-2 que sobrecarregaram o seu sistema de saúde.

Sem máscaras nem lockdown, os suecos começam a ter restrições mais duras. Mas Estocolmo à sexta à noite ainda é uma festa

As infeções espalharam-se rapidamente entre a classe médica sueca, pressionando o Governo a apoiar mais restrições, incluindo uma proibição nacional da venda de álcool após as 22:00 em bares e restaurantes.

A Suécia também impôs restrições mais rígidas, até ao momento, ao proibir reuniões públicas de mais de oito pessoas.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.612.297 mortos resultantes de mais de 72,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Médicos suecos já podem usar máscaras nos hospitais. Mas só se tiverem de ver doentes a menos de um metro de distância