Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os 25 golos que o FC Porto tem neste momento na Primeira Liga fazem agora dos dragões o melhor ataque português, com mais um golo do que o Sporting. Mais do que isso, destaca-se na receção ao Nacional o facto de a equipa de Sérgio Conceição não ter sofrido golos, algo que não acontecia há quatro partidas consecutivas — sendo que, em oito jogos no Dragão para as competições nacionais, esta foi apenas a segunda vez em que o FC Porto terminou com a baliza em branco.

Não há parceiro para a sueca como o trunfo Taremi: Marega que o diga (a crónica do FC Porto-Nacional)

Mais do que isso, os dragões chegaram ao 50.º jogo consecutivo a marcar para o Campeonato no Dragão, sendo que a última vez que não marcaram em casa foi já em dezembro de 2017, no Clássico contra o Benfica. Assim, esta foi a quarta vez na história em que o FC Porto concluiu uma série destas — a melhor aconteceu nos anos 40, quando esteve 95 partidas seguidas a fazer golos em casa para a Liga.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na flash interview, o capitão Sérgio Oliveira explicou que a equipa saiba que tinha de entrar “forte”. “Tínhamos isso no pensamento, entrar forte e tentar resolver o jogo o mais rapidamente possível. Fizemos dois golos e poderíamos ter feito mais um outro. E depois também soubemos estar no jogo e, como disse, não sofrer golos e isso foi importante”, disse o internacional português, que lembrou que no último jogo, contra o P. Ferreira para a Taça da Liga, o FC Porto sofreu “um golo no primeiro remate à baliza”. “Há momentos assim, há fases assim. Estamos a desenvolver um bom trabalho e vamos continuar com essa senda de vitórias e quarta-feira queremos já trazer um título para o Dragão”, acrescentou, garantindo que contra o Benfica na Supertaça Cândido de Oliveira os únicos três resultados possíveis são “ganhar, ganhar e ganhar”.

Já Sérgio Conceição reconheceu que o jogo não foi “espetacular” mas que o resultado foi “bom”. “No final saíram uns jogadores com algumas mazelas porque têm entrado de uma forma forte nos nossos jogadores, face a um jogo agressivo, por vezes demasiado, do nosso adversário. Entrámos bem na partida. Uma vitória que direi boa da nossa parte, não de um jogo espetacular mas uma boa vitória”, disse o treinador, em referência a Otávio e Corona, que saíram ambos lesionados da partida depois de lances com adversários. Sobre se o brasileiro e o mexicano estarão disponíveis na quarta-feira, no jogo contra o Benfica, Sérgio Conceição disse que ainda não sabe.

“Para nós é sempre importante fechar os jogos sem sofrer golos. Nessa organização defensiva toda a gente participa. Permitimos muito pouco hoje, assim como contra o P. Ferreira também permitimos, só me recordo do remate do Castanheira já perto do final. São coisas que temos vindo a melhorar, somos uma equipa que sofre muito poucos golos e o trabalho coletivo foi muito bom nesse sentido”, terminou o técnico dos dragões.