Dois pinguins abraçados em cima de uma rocha a admirar as luzes de Melbourne, na Austrália. Parece uma cena de uma fábula, mas é real. O momento foi registado pelo fotógrafo alemão Tobias Baumgaertner e valeu-lhe uma distinção nos Ocean Photography Awards, da revista Oceanographic Magazine.

A fotografia foi captada há mais de um ano e partilhada nas redes sociais em março, numa altura em que uma pandemia ainda quase desconhecida começava a privar as pessoas de coisas tão simples como um toque ou um abraço. “Em momentos como estes, os que são realmente sortudos são aqueles que podem estar com as pessoas que mais amam”, escreveu, na altura, o fotógrafo na sua conta de Instagram.

Baumgaertner passou três noites numa colónia protegida de pinguins-fada — os mais pequenos do mundo — até conseguir tirar a fotografia. Uma tarefa difícil porque não podia utilizar luzes e os “pequenos pinguins” estavam sempre em movimento, “a roçar as barbatanas um no outro”. “Foi muito difícil conseguir tirar a fotografia, mas fui tive sorte durante um belíssimo momento”, afirmou.

Um voluntário da colónia — que, de acordo com a BBC, alberga cerca de 1.400 pinguins-fada no pontão de St Kilda — explicou-lhe que “o pinguim branco era uma senhora já mais velha que tinha perdido o parceiro e aparentemente o mesmo tinha acontecido com o pinguim macho, mais jovem”. “Desde aí, encontram-se regularmente para se confortarem um ao outro e ficarem juntos durante horas, a verem as luzes da cidade a bailarem”.

A maneira como estes dois pombinhos cuidavam um do outro destacou-se em toda a colónia. Enquanto todos os outros pinguins estavam a dormir ou a correr, aqueles dois ficavam ali parados a aproveitar cada segundo que passavam juntos, a segurar-se nas barbatanas e a falar sobre coisas de pinguins”, disse o fotógrafo numa outra publicação.

Os pequenos pinguins “tocaram o coração de pessoas de todo o mundo” e a fotografia foi a vencedora da categoria Community Choice Awards, dos Ocean Photography Awards.