Xin Xing, uma panda gigante considerada a estrela do jardim de zoológico de Xunquim, na China, morreu esta quarta-feira, aos 38 anos (em idade humana equivaleria a 110 anos). A panda morreu devido à falência de vários órgãos, conta o The New York Times.

É considerado o urso panda que mais anos esteve em cativeiro no mundo. A panda nasceu numa reserva natural em Sichuan e foi transferida para o jardim zoológico de Xunquim quando tinha apenas um ano. Devido a ter chegado tão nova, ficou com o nome Xin Xing, que significa em mandarim “nova estrela”.

Xin Xing comia muito. O seu cuidador Zhang Naicheng relatou que ela comia cerca de 30 quilos de bamboo por dia. E não era só: também ingeria fruta e folhas em sete refeições diárias. “Quando ela era nova, comia muito mais rápido e muito mais que os outros pandas”, disse Naicheng.

E o mais impressionante talvez seja o facto de Xin Xing ter deixado 153 descendentes que vivem em todo o mundo — Canadá, Estados Unidos, Taiwan –, o que não é muito normal, visto que os pandas gigantes apresentam uma baixa taxa de sucesso de reprodução em cativeiro. Além disso, a sua longevidade também é um feito. Menos de 30 pandas em cativeiro conseguiram viver até aos 30 anos. Fora dele, no habitat natural, os pandas gigantes vivem entre os 14 a 20 anos.

Mas parece não ter sido a panda mais simpática de todas. Segundo o cuidador, “entre os pandas ela era bem feroz”. Com a idade foi-se tornando cada vez “mais dócil e já era mais difícil provocá-la”, lembra Zhang Naicheng.

Nos dois últimos meses, Xin Xing começou a adoecer e a perder o apetite. Depois começou a sofrer de problemas respiratórios e tosse. Durante os seus últimos dias, o seu cuidador viveu num quarto a 18 metros para a vigiar durante a noite. E, devido aos seus dentes já estarem enfraquecidos, o cuidador cortava as folhas do bambo para ela os comer.

“Vou tomar conta dela para o resto dos meus dias”, revelou o cuidador Zhang Naicheng em agosto. Não tomou, mas seguramente terá feito o melhor que pôde.