O Livre expressou esta quarta-feira “absoluto repúdio” pela matança de 540 animais na Quinta da Torre Bela, na Azambuja, considerando “urgente” esclarecer o que aconteceu e exigindo uma “ampla revisão” da Lei da Caça.

“O Livre vem desta forma comunicar absoluto repúdio pelo massacre destas centenas de animais”, pode ler-se numa nota enviada pelo partido às redações.

Até que uma “ampla revisão” da Lei da Caça seja feita, o partido da papoila considera necessária “uma inspeção regular e atenta de todas as atuais zonas de caça do país e a reposição do calendário venatório anual assente numa avaliação mais frequente e rigorosa do estado das populações das nossas espécies selvagens”.

Sendo a caça direta uma das causas principais para o declínio da biodiversidade, conforme tem sido salientado pela comunidade científica e pelas organizações não-governamentais de ambiente nacionais e internacionais, a promoção desta prática para fins considerados desportivos é altamente questionável”, sustenta.

O Livre sublinha ainda que, “em nenhum momento poderão ser toleradas ações de caça que concentrem um número tão elevado de abate indiscriminado num escasso período de tempo e de espaço como se verificou na Quinta da Torre Bela”.

É urgente esclarecer o que ocorreu, assim como o destino que será dado aos animais abatidos. Desta forma, deverão ser tornados públicos os resultados da investigação – que se pretende célere, mas rigorosa – que irá decorrer na sequência da queixa apresentada pelo Ministério do Ambiente ao Ministério Público”, apela o partido da papoila.

Na segunda-feira, o Instituto da Conservação da Natureza abriu um processo para averiguar junto da Zona de Caça Turística de Torre Bela, concessionada à Sociedade Agrícola da Quinta da Visitação, SAG, Lda., “os factos ocorridos e eventuais ilícitos” relacionados com estes abates.

O jornal online O Fundamental divulgou no domingo que 540 animais, a maioria veados e javalis, foram abatidos numa montaria nos últimos dias.

O abate, segundo o jornal, terá sido “publicitado” nas redes sociais “por alguns dos 16 ‘caçadores’ que terão participado” na iniciativa.