O presidente do PSD, Rui Rio, disse esta quarta-feira que até ao próximo dia 1 janeiro o partido não terá compromisso com “rigorosamente ninguém” para encabeçar candidaturas nas autárquicas de 2021, escusando-se a confirmar se o eurodeputado Paulo Rangel é uma hipótese para o Porto.

Não tenho compromisso com rigorosamente ninguém, até porque eu próprio defini que, até ao dia 1 de janeiro, é zero [não há candidatos]. Outra coisa é eu tomar café com alguém e perguntar o que é que esse alguém acha para o seu concelho. Isso pode acontecer, mas é uma coisa completamente informal, não tem a ver com uma estratégia completamente montada”.

Rio comentava uma notícia do Observador, divulgada na terça-feira, de que teria falado com o social-democrata Paulo Rangel sobre a hipótese de o eurodeputado avançar com uma candidatura à Câmara do Porto.

Rangel sondado para o Porto. Santana mantém tabu

Segundo aquela publicação, ainda não há decisões tomadas, mas Rangel “sabe que terá lugar na corrida à Câmara do Porto se assim o quiser”.

Esta quarta-feira, Rio deixou claro que, tal como foi decidido pela Comissão Política Nacional do PSD, até ao dia 1 de janeiro “não há candidato a lado nenhum”, nem mesmo “à freguesia mais pequena”.

Zero, zero. Isto tem de ter organização, tem de ter disciplina e tem de ter método. Até 1 de janeiro, zero. É zero do Porto, é zero de Lisboa, é zero de Vila Flor, é zero Miranda do Douro, é zero Vinhais, é zero Cuba do Alentejo, é zero tudo”.

Explicando que a escolha dos candidatos implica uma “parte burocrática” que envolve concelhias, distritais e a direção nacional, Rio admitiu que tem na sua cabeça “naturalmente” nomes para as câmaras do Porto, Lisboa ou Coimbra, o que apenas quer dizer que são possíveis candidatos.

Terei na minha cabeça, mas não é quero A ou quero B ou quero C. Tenho na minha cabeça nomes possíveis para as câmaras mais relevantes politicamente”.

O líder do maior partido da oposição lembrou ainda que em janeiro há eleições presidenciais, pelo que este, entende, “não o melhor momento para andar a anunciar candidatos”.

Em janeiro temos a campanha eleitoral para as eleições presidenciais, não me parece que seja o melhor momento para andar a anunciar candidatos, porque há concelhos onde praticamente só há um candidato. Janeiro ainda não me parece a melhor altura”.