É com um macaco no rótulo que o licor espanhol Anís del Mono tem feito sucesso esta pandemia. Com os bares e discotecas fechadas por todo o país, e consequente redução nas encomendas de espirituais, esta bebida de anis destacou-se por contrariar a tendência e registar um aumento de 17% nas suas vendas.

Em entrevista ao The Guardian, Laura Díaz, gerente da marca Anís del Mono do grupo de bebidas Osborne, explica que o sucesso do licor poderá estar relacionado com o aumento de cozinhados de pastelaria, verificado durante a pandemia.

Muitas pessoas passaram o confinamento a fazer bolos e sobremesas, o motivo pelo qual assistimos a uma escassez de farinha e fermento. Mas a Semana Santa também acabou por calhar em confinamento, e em Espanha, muitos dos doces tradicionais desta semana, como donuts, são feitos com anis.”

Embora os dados do ministério da alimentação e agricultura espanhol indiquem que houve um aumento expressivo nas vendas de álcool a retalho na segunda semana de abril (cerca de 85% em relação ao período homólogo em 2019), houve uma clara queda nas vendas em bares e restaurantes. As medidas de restrição devido à Covid-19, que obrigaram o encerramento de alguns destes estabelecimentos, fizeram com que o consumo de bebidas espirituais caísse 42.7% em 2020.

Contudo, este licor de anis não diminuiu a sua popularidade, pelo contrário, aumentou. Segundo Laura Díaz, a bebida costuma fazer sucesso junto de “homens mais velhos que poderão bebê-lo com o café, água, sumo ou só o licor”, mas em 2020 encontrou apreciadores pasteleiros e até mesmo mixologistas – criadores de cocktails.

É um cheiro que as pessoas tendem a associar ao Natal e lembra-nos os nossos avós. Mas também começamos a observar um aumento de pessoas a usá-lo em cocktails. Fazer cocktails é mais comum noutros países da Europa, mas estamos a assistir a um crescimento aqui, com todas as modas gastronómicas que há agora. O Anís del Mono é um produto local e tradicional.”

Com 150 anos de história, o licor é uma das bebidas mais populares na Espanha tendo, inclusive, aparecido no videoclip da música “Pienso en tu Mirá” da artista espanhola Rosalía  e em pinturas de Pablo Picasso e Juan Grís.

De acordo com o jornal britânico, a garrafa foi inspirada em embalagens de perfume que o seu criador, Vicente Bosch, encontrou em Paris enquanto procurava um presente para a mulher. Já o macaco é uma referência à teoria da evolução de Charles Darwin.