Espanha vai ter registo das pessoas que não querem ser vacinadas contra a Covid-19, confirmou o ministro da Saúde espanhol em declarações ao canal “La Sexta”, na segunda-feira.

Salvador Illa garantiu que a vacina é facultativa mas sublinhou que quem recusar tomá-la ficará registado. A lista não será pública, uma vez que “tudo será feito com o maior respeito pela proteção de dados”, assegurou o ministro, mas o documento será partilhado com as instâncias europeias.

“Vamos manter um registo, que também vamos partilhar com outros parceiros europeus, daquelas pessoas a quem foram oferecidas as vacinas e que as rejeitaram, tal como acontece com outros tratamentos indicados para outros tipos de patologias”, informou o ministro espanhol.

Também na segunda-feira numa entrevista à emissora RNE, José Luis Martínez-Almeida, presidente da câmara de Madrid e porta-voz do partido da oposição Partido Popular, criticou o plano de vacinação do governo espanhol por não ser “transparente” e responsabilizou o executivo pela “falta de informação” sobre a vacina, o que na sua opinião fez com que muitas pessoas estivessem reticentes em tomá-la.