Um enfermeiro norte-americano de 45 anos foi diagnosticado com a Covid-19 seis dias depois de ter tomado a primeira dose da vacina contra a doença, uma situação que não surpreendeu os especialistas e que deixa em evidência a necessidade de manter as medidas de contenção — incluindo o uso de máscara, distanciamento físico e higiene — depois da vacinação.

De acordo com um relato da estação televisiva ABC, Matthew W. foi vacinado com a primeira dose da vacina da Pfizer no dia 18 de dezembro. Seis dias depois, o enfermeiro da cidade de San Diego, na Califórnia, manifestou alguns sintomas compatíveis com a Covid-19, incluindo dores musculares e cansaço. Depois de fazer o teste, percebeu que estava infetado com o coronavírus.

A situação não surpreendeu os especialistas, uma vez que o enfermeiro ainda só tinha tomado a primeira de duas doses da vacina e ainda não tinha passado tempo suficiente para que a imunidade se começasse a desenvolver.

“Sabemos, pelos ensaios clínicos da vacina, que demora entre 10 a 14 dias até começarmos a desenvolver a proteção fornecida pela vacina”, disse à mesma estação televisiva o especialista em doenças infecciosas Christian Ramers, que comentou o caso e sublinhou que, mesmo depois desses dias, só a segunda dose da vacina concluirá o processo de imunização.

Pensamos que a primeira dose dê cerca de 50% [de imunidade] e é preciso uma segunda dose para chegar aos 95%“, disse o médico. A vacina da Pfizer é tomada em duas doses, separadas por um período de três semanas.

O médico diz que, por isso mesmo, o caso de Matthew W. não levanta qualquer questão sobre a eficácia da vacina — e avança ainda a possibilidade de o enfermeiro já ter contraído o vírus antes de ser vacinado, uma vez que o período de incubação do vírus é de 14 dias.

Para Ramers, fica claro que a vacina é eficaz mas não vai acabar com a pandemia em poucos dias. “Será um processo longo, de semanas a meses enquanto distribuímos a vacina”, explicou o médico, salientando que durante todo este tempo é necessário manter as normas de prevenção atualmente recomendadas.