Um ataque terrorista simultâneo a duas aldeias vizinhas deixou um rasto de 100 mortos no Níger, anunciou o presidente da câmara, considerando este o pior massacre de civis por grupos armados neste país africano.

“Acabamos de regressar do local dos ataques, em Tchoma Bangou houve cerca de 70 mortos e em Zaroumadareye 30 vítimas mortais”, disse o autarca de Tondikiwindi, a cidade que agrega as duas aldeias separadas por sete quilómetros, em declarações à agência de notícias francesa, a AFP.

“Os terroristas entraram nas aldeias conduzindo uma centena de motas, e houve também 25 feridos, alguns dos quais evacuados para Niamey e Ouallam”, acrescentou, notando que este foi o pior massacre de civis no país.

“Para atacar as duas aldeias, os terroristas dividiram-se em duas colunas, uma atacando Zaroumadareye, e a outra dirigindo-se para Tchoma Bangou”, explicou Almou Hassane.

Os números agora divulgado atualizam as informações dadas no sábado, que apontavam para 50 mortos e cerca de 20 feridos.

As duas aldeias situam-se a 120 quilómetros a norte da capital, Niamey, na região de Tillabéri, na fronteira entre o Mali e o Burkina Faso, uma região que tem sido alvo frequente de ataques de grupos jihadistas há vários anos.

O ataque de sábado aconteceu no mesmo dia da proclamação dos resultados das eleições presidenciais, que deram a vitória ao candidato do partido no poder, o antigo ministro do Interior Mohamed Bazoum, que prometeu durante a campanha reforçar o combate aos grupos jihadistas que operam na região.

Há vários anos que o Níger — tal como os vizinhos Mali e Burkina Faso – é atormentado por ataques ‘jihadistas’ nas zonas oeste e sudeste, tendo já morrido centenas de pessoas no processo.

A região de Tillabéri está localizada na zona das “três fronteiras” Níger-Mali-Burkina, frequentemente atacada por grupos ‘jihadistas’. Em maio passado, 20 pessoas, incluindo crianças, foram mortas em duas aldeias em Anzourou (região de Tillabéri) e há cerca de duas semanas, pelo menos 34 pessoas foram mortas e 100 outras ficaram feridas em Toumour, na região de Diffa (sudeste), perto da Nigéria, por membros do grupo ‘jihadista’ Boko Haram, de acordo com as autoridades.