Não é uma surpresa, mas nem por isso deixa de ser um motivo de “alerta” e “preocupação”. Quem o diz é Nelson Pereira, diretor da Unidade Autónoma de Gestão de Urgência e Medicina Intensiva do hospital de S. João, no Porto, ao explicar que após o período festivo existe “um claro crescimento” do número de doentes que recorrem ao serviço de urgência. “Voltamos a ter mais de 100 caos suspeitos por dia, número que do que vai em linha ao que tínhamos no fim do mês de novembro. Há um óbvio crescimento, é algo que estávamos à espera, não é uma surpresa.”

O médico sublinha que os suspeitos que são positivos ao novo coronavírus rondam os 25 ou 30%, sendo este “o principal sinal de alerta de há um agravamento da situação”. “Deixa-nos claramente alerta sobre o que vai acontecer nas próximas semanas. Certamente é efeito da época natalícia, não apenas dos dias 24 ou 25 de dezembro, mas de todo o ambiente à volta das festas”, onde as pessoas convivem e se mobilizam mais, provocando “um aumento do número de contactos”.

Se durante o mês dezembro, os profissionais de saúde assistiram “a uma diminuição progressiva do número de casos suspeitos na urgência, a uma diminuição razoável numero de internados em enfermaria e uma situação mais ou menos estável relativamente ao número de doentes internados em cuidados intensivos”, este cenário mudou nos últimos dias.

Atualmente, o Hospital de S. João tem 101 doentes internados por Covid-19, dos quais 46 se encontram em cuidados intensivos. “São números muito elevados, qualquer aumento que possa acontecer nas próximas semanas vai ter um impacto muito significativo.”

Nelson Pereira destaca que a capacidade do hospital está, para já, assegurada, com 22 camas abertas em cuidados intensivos, além da capacidade  normal deste serviço, mas a preocupação existe. “Novos casos significa novos internamentos e novos cuidados intensivos.” O profissional deixa ainda claro que a situação “está longe de ser resolvida”, por isso é “importante e necessário” manter os cuidados definidos pela Direção Geral da Saúde.

Durante a manhã, duas carrinhas cor de laranja aproximaram-se de uma das entradas principais do hospital. O aparato era grande e contava com a presença de agentes da polícia, o presidente do conselho de administração do hospital, Fernando Araújo, e o diretor dos serviços farmacêuticos, Pedro Soares. Eram mais vacinas a chegar, além das 2500 que foram administradas no passado dia 27 de dezembro.

Esta semana serão vacinados mais 1500 profissionais de saúde, totalizando 4 mil, dos 6200 que trabalham no hospital de S. João.