O Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres suspendeu as aulas presenciais para os alunos do 3.º Ciclo do Ensino Básico e do Secundário, para evitar a propagação de infeções por Covid-19 no concelho.

O presidente da Câmara Municipal de Fornos de Algodres, Manuel Fonseca, disse hoje à agência Lusa que a decisão foi tomada pelo município, em articulação com o Agrupamento de Escolas, a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares e a Unidade Local de Saúde da Guarda, “tendo em conta a situação epidemiológica do concelho” e “como medida de prevenção e mitigação da Covid-19”.

Segundo o autarca, as aulas presenciais estão suspensas, entre esta terça-feira 4 de janeiro e o dia 18, para os alunos do 3.º Ciclo do Ensino Básico (7.º, 8.º e 9.º anos) e Secundário (10.º, 11.º e 12.º anos).

Manuel Fonseca referiu que a medida foi tomada “por prevenção”, após terem surgido surtos de infeções pelo novo coronavírus em dois lares de idosos do concelho.

“Começou por haver surtos em dois lares, Maceira e Vila Ruiva, mas a situação agravou-se. E não só apareceram casos nos lares, mas também na sociedade. Neste momento, já haverá mais de 70 casos ativos no concelho”, relatou.

O autarca referiu que, perante o receio de “que houvesse algum problema nas escolas”, as mesmas foram encerradas por duas semanas.

“Se as coisas melhorarem, serão reabertas”, explicou.

Numa informação divulgada na página da internet do Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres, o diretor, Artur Oliveira, informa que as autoridades de Saúde Pública solicitaram a transição das aulas para ensino não presencial (ensino à distância) dos alunos do 3.º ciclo e secundário do ensino regular, “atendendo à emergência de saúde pública e prevenção da propagação do Covid-19 no concelho de Fornos de Algodres”.

“Os alunos e encarregados de educação devem ir consultando a página do Agrupamento e/ou Facebook e respetivo diretor de turma sobre as ações subsequentes”, lê-se no comunicado.

O presidente do município de Fornos de Algodres disse à Lusa que a autarquia, em ligação com as instituições particulares de solidariedade social, está a “acompanhar a par e passo” o evoluir da situação epidemiológica em dois lares de idosos daquele concelho do distrito da Guarda.

Manuel Fonseca indicou que no Lar de Idosos de Maceira, com 23 utentes, onde já ocorreu um óbito, estão infetados 16 utentes e cinco das 20 funcionárias apresentam testes com resultado positivo.

No Lar de Idosos de Vila Ruiva estão infetados 12 dos 14 utentes e sete das 10 funcionárias apresentam teste positivo para o novo coronavírus.

O autarca referiu que foram pedidas duas Brigadas de Intervenção Rápida da Segurança Social, sendo que uma já esteve no terreno e a outra deverá começar a atuar durante o dia desta terça-feira 4 de janeiro.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.843.631 mortos resultantes de mais de 85 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 7.186 pessoas dos 431.623 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.