As novas restrições, impostas desde o início do ano em Timor-Leste devido à Covid-19, estão a levar ao cancelamento de várias atividades, com perdas significativas para o setor hoteleiro e de restauração, disseram esta terça-feira 5 de janeiro, responsáveis.

Eventos como conferências, seminários, ações de formação e acontecimentos sociais e culturais previstos para janeiro foram adiados ou cancelados pelos respetivos organizadores.

Esta situação começou a verificar-se ainda no final do ano passado, quando o Governo timorense proibiu reuniões com mais de dez pessoas, o que levou ao cancelamento de festas de Natal e celebrações de Ano Novo, poucos dias antes de se realizarem, representando perdas de dezenas de milhares de dólares para os organizadores.

Desde o início do ano que agências internacionais, entidades do Estado e até empresas e clientes privados cancelaram já várias atividades previstas.

É o caso do Hotel Timor que cancelou a festa de fim de ano, com lotação esgotada, viu agora cancelados todos os eventos sido marcados para janeiro, disse à Lusa um responsável da unidade hoteleira. Estes cancelamentos “representam perdas avultadas para o Hotel Timor”, sublinhou.

Três empresas de catering disseram também à Lusa terem sido cancelados ou adiados vários eventos este mês para os quais tinham sido contratadas.

Em 2020, vários hotéis e restaurantes fecharam as portas, na sequência do encerramento quase total das fronteiras, restrições nas entradas e a redução, durante vários meses, de atividades institucionais e privadas. Apenas no último trimestre do ano, a economia timorense deu ligeiros sinais de recuperação.

As novas medidas foram anunciadas pelo Governo para o novo período de estado de emergência, o nono período de 30 dias desde março, que termina no início de fevereiro, depois de um aumento do número de casos ativos.

O país tem atualmente 12 pacientes infetados, todos em isolamento, com centenas de pessoas ainda à espera de conhecer o resultado dos testes ao novo coronavírus.

Apesar do aumento de casos, Timor-Leste continua sem transmissão comunitária, com todos os casos a serem importados e o aumento a dever-se, em particular, à chegada de vários voos em dezembro.

Uma fatia significativa dos novos infetados corresponde a estudantes timorenses que viajaram da Europa, particularmente do Reino Unido. Quase todos os casos foram detetados em quarentena e há apenas três identificados em entradas ilegais na fronteira no enclave de Oecusse.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.843.631 mortos resultantes de mais de 85 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.