A deputada escocesa Margaret Ferrier foi detida esta segunda-feira pela polícia daquele país. É suspeita de ter violado as restrições impostas pelo governo para conter a pandemia, tendo viajado infetada com o novo coronavírus.

Em setembro, a deputada terá feito duas viagens entre Glasgow, na Escócia, e o parlamento britânico, em Londres. Na viagem de ida, até ao parlamento, apresentava sintomas ligeiros da doença mas não se coibiu de percorrer uma distância de 500 quilómetros entre as duas cidades. No regresso, Margaret Ferrier já havia tido conhecimento do resultado positivo do seu teste à Covid-19, mas ainda assim voltou para a Escócia. Além disso, Ferrier admitiu que visitou várias empresas no dia em que fez o teste à Covid.

Numa declaração emitida, a polícia escocesa confirmou a detenção da deputada após investigação.

Podemos confirmar que hoje [segunda-feira] agentes prenderam e acusaram uma mulher de 60 anos devido a uma conduta alegadamente dolosa e imprudente”, referiu a força policial.

A deputada encontra-se agora pressionada, incluindo pela primeira-ministra do país, para apresentar a sua demissão. Ferrier já tinha sido suspensa do grupo de trabalho do Partido Nacional Escocês durante a investigação devido à sua conduta imprudente. Entretanto a parlamentar já pediu desculpa pelo “descuido”.

O Reino Unido foi atingido severamente pela pandemia. Mais de 2.700.000 de britânicos foram infetados e cerca de 75.000 morreram.