Crianças são-tomenses que necessitem de tratamento médico em Portugal e respetivas famílias vão ser apoiadas pela associação ‘O Joãozinho’, no Porto, de acordo com um protocolo que será assinado esta quarta-feira, adiantou à Lusa o embaixador são-tomense.

É um acordo especial e muito importante na medida em que à luz desse acordo as crianças podem vir [ao Porto] com um acompanhante e haverá, para além da assistência médica, medicamentosa e hospitalar durante o período que cá estiverem, a fundação garante o apoio na estadia dessas crianças doentes e dos seus acompanhantes durante o tratamento hospitalar e ambulatório aqui em Portugal”, anunciou o embaixador são-tomense em Portugal, António Quintas do Espírito Santo.

À margem da assinatura de um protocolo de cooperação no domínio da formação na área da construção civil e do ensino profissional entre a Embaixada de São Tomé e o Centro de Formação Profissional da Indústria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte, que decorreu esta terça-feira na Maia (Porto), o embaixador referiu que o protocolo seria “uma grande ajuda” para as crianças e famílias são-tomenses.

O protocolo vai ser assinado esta quarta-feira, dia 06, pelas 14:00, na sede de O Joãozinho, no Porto, acrescentou o embaixador. A Lusa tentou falar com o responsável da associação e com o Hospital de São João sobre esta iniciativa, mas sem sucesso.

Questionado pela Lusa sobre se está prevista para este ano uma visita do primeiro-ministro, António Costa, a São Tomé e Príncipo – visto que a visita prevista para dias antes do Natal de 2020 foi cancelada devido ao isolamento profilático relacionado com a Covid-19 -, o embaixador disse que as autoridades são-tomenses esperam que essa deslocação seja reprogramada “o mais rapidamente” e de acordo com a agenda dos chefes de governo.

A questão [da visita] esteve na agenda, mas houve necessidade superior de adiar esta visita, mas as linhas de São Tomé e Príncipe estão abertas para a receção do ilustre primeiro-ministro de Portugal, António Costa. Nós internamente, ao nível do governo e do Estado são-tomense estamos abertos para a receção do nosso ilustre convidado a qualquer momento”, comentou.

O projeto conhecido por ‘Joãozinho’ foi lançado com fundos e donativos da sociedade civil para ajudar a construir a ala pediátrica do Centro Hospitalar Universitário de São João, no Porto.

No verão de 2019, o Governo autorizou o centro hospitalar a gastar 22,5 milhões de euros para construir e equipar a nova ala pediátrica até 2021, lia-se uma portaria publicada a 19 de agosto no Diário da República.

O documento “autoriza” o São João a “assumir o encargo até 22,5 milhões de euros”, mais IVA, até 2021, “referente à construção e apetrechamento do Hospital Pediátrico Integrado”, uma pretensão antiga que, durante cerca de 10 anos e até ao início de julho deste ano, manteve o internamento de crianças em contentores provisórios.

O novo espaço acolherá várias especialidades, incluindo a pediatria, neonatologia, medicina intensiva pediátrica, oncologia pediátrica, cardiologia pediátrica, cirurgia pediátrica e a primeira unidade de queimados pediátricos do Norte.