Os acionistas da Mota-Engil reúnem-se esta quinta-feira, em assembleia-geral para votar uma alteração ao contrato social, que tem como objetivo autorizar o Conselho de Administração a deliberar aumentar o capital até 100 milhões de euros.

“São convocados os senhores acionistas e os representantes comuns dos obrigacionistas da Mota-Engil, SGPS, S.A., sociedade aberta, para se reunirem em assembleia-geral extraordinária, em primeira convocação, no dia 7 de janeiro de 2021”, lê-se no comunicado remetido à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A reunião, a realizar no Porto, terá como ponto único a votação da alteração parcial do contrato social, através de um novo artigo, denominado Sexto-A, proposta pela acionista Mota Gestão e Participações (MGP).

Segundo a informação enviada à CMVM, este novo artigo autoriza o Conselho de Administração a deliberar um aumento de capital social com montante máximo de 100 milhões de euros, uma operação que decorre do acordo de parceria estratégica e de investimento com a China Communications Construction Company (CCCC), que adquiriu recentemente ações da empresa.

“Após este aumento do capital social, será imputável à MGP uma participação de cerca de 40% do capital social da Mota-Engil, sinal de total empenho e alinhamento com a sua posição histórica no grupo, e o novo acionista atingirá uma participação ligeiramente superior a 30%”, referia a empresa num comunicado ao mercado em 27 de agosto do ano passado.

Em 27 de novembro, a Mota-Engil anunciou ter concluído o acordo de parceria estratégica e de investimento com a CCCC para a entrada do novo acionista no capital do grupo, que se traduziu na compra de 55 milhões de ações (cerca de 23%) ao preço de 3,08 euros por ação, num investimento de 169,4 milhões de euros.