Na antevisão ao jogo frente ao Tondela, Jorge Jesus reforçou o objetivo para o campeonato. Um sublinhado que desta vez surgiu em forma de desabafo: “Estou cansado de não estar em primeiro lugar”. Ora já o Benfica – Tondela estava a decorrer, quando Jesus soube que teria de esperar mais um pouco. Na Choupana, o líder Sporting tinha vencido o Nacional por 2-0. A chave era esperar. Uma espera que se acentuava mais naquele momento.

Isto porque na Luz a impaciência de Jesus dirigia-se agora para aquele próprio jogo. O Benfica saiu ao intervalo com um nulo… mais uma vez. Nos últimos cinco jogos em casa, era a quarta vez que os encarnados iam para os balneários sem marcar. E a história não era famosa: desses quatro jogos anteriores, o Benfica tinha ganho dois, empatado um e perdido outro. Uma primeira parte para deixar Jesus ainda mais cansado.

Ainda assim, se os golos não apareciam, aparecia a nota artística, tão acarinhada por Jorge Jesus. O Benfica podia não ter a verticalidade e a frieza de outros tempos, mas Everton, Pizzi e Darwin iam tratando bem a bola e a verdade é que os encarnados podiam ter saído para o intervalo a vencer e de forma descansada. O domínio era dos da casa, mas faltavam os golos.

Mas se o Benfica não gosta de primeiras partes, o mesmo não se pode dizer das segundas. Seferović que o diga: ainda nem dez minutos de jogo tinham sido contados no segundo tempo e o avançado suíço seguiu o conselho do treinador. Cansou-se de esperar, adiantou-se à linha defensiva do Tondela e marcou o primeiro. Um golo do tamanho do cansaço de Jesus, que se mediu em 111 cm, que salvaram o golo do ponta-de-lança encarnado.

A equipa de arbitragem liderada por Manuel Oliveira ainda anulou o tento do Benfica, mas o vídeo-árbitro acabou por validar o golo de Seferović. O avançado suíço estava em jogo no momento do cruzamento de Darwin Nuñez e o Benfica ficava assim também em jogo para anular maior vantagem do Sporting. Começava da melhor maneira uma segunda parte não tão intensa da formação de Jesus, mas com mais golo. O segundo estava para vir.

O Tondela ainda se foi tentando soltar das amarras defensivas, com alguns contra-ataques venenosos, mas a baliza de Vlachodimos só foi alvejada por duas vezes, praticamente a abrir e a fechar o jogo. A partida continuava do Benfica, que ia gerindo o jogo a seu bel-prazer. Voltava — de parte a parte — a tal nota artística de Jesus, mas o resultado continuava em risco. O 1-0 é sempre perigoso e foi preciso o Tondela assustar para o Benfica matar o jogo de vez.

Ao minuto 86′ há cruzamento do lado esquerdo do ataque tondelense. A defesa do Benfica falhou a interceção e a bola caiu nos pés de Jhon Murillo, no regresso à Luz. O avançado do Tondela tinha a baliza encarnada pela frente, mas um enorme Vlachodimos diminuiu-a. Jorge Jesus terá ficado sem batimento cardíaco, recuperado logo de seguida. O susto valeu a pena.

Primeiro por Darwin Nuñez, com golo anulado por fora-de-jogo, depois por Waldschmidt. O avançado alemão encostou para o 2-0 após belo trabalho de Darwin, colocando o ponto final no jogo. Um mês depois, Luca foi feliz e deixou Jesus feliz também. No final da partida, o técnico encarnado sublinhava as “três coisas boas” da equipa: a intensidade, a qualidade e o facto de não ter sofrido golos.

O Benfica venceu o Tondela por 2-0, numa vitória inteiramente justa. Jorge Jesus ainda vai ter de esperar mais um pouco pelo primeiro lugar que tanto quer, mas a conquista de hoje foi como uma cadeira para recuperar o cansaço.

Benfica vence Tondela por 2-0 e reaproxima-se do Sporting. Reveja aqui o filme do jogo