Olá

833kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

O minuto 89 deu a João Mário um dia para recordar. FC Porto não marcava tanto desde 1985 — mas não sofria tanto há 50 anos

Este artigo tem mais de 3 anos

Avançado estreou-se a marcar pela equipa principal nos instantes finais. FC Porto leva 15 jogos sem perder e melhor registo goleador desde 1985. Mas há 50 anos que não sofria tanto em 13 partidas.

O jogador de 21 anos entrou nos últimos minutos da partida mas ainda foi a tempo de fazer um golo
i

O jogador de 21 anos entrou nos últimos minutos da partida mas ainda foi a tempo de fazer um golo

LUSA

O jogador de 21 anos entrou nos últimos minutos da partida mas ainda foi a tempo de fazer um golo

LUSA

89 minutos. Luis Díaz conduziu o contra-ataque no corredor central, beneficiou da queda de um jogador adversário e abriu na direita. João Mário, que tinha entrado quatro minutos antes, rematou cruzado, confirmou a goleada do FC Porto e estreou-se a marcar pela equipa principal dos dragões. O avançado de 21 anos, natural de São João da Madeira, nem sequer soube como reagir, festejando de forma bem menos exuberante do que os colegas, que o rodearam de imediato. No final da partida, com mais três pontos conquistados, foi João Mário o eleito de Sérgio Conceição para falar na habitual ronda da comitiva da equipa.

O golo do avançado português foi um dos pontos altos de mais uma noite muito positiva do FC Porto. Os dragões chegaram ao 15.º jogo consecutivo sem perder — sendo que, nesses 15, só não ganhou um, contra o Manchester City, para a Liga dos Campeões. A equipa de Sérgio Conceição leva agora sete jornadas seguidas a vencer para a Primeira Liga e é já o melhor ataque da competição, com 35 golos, o melhor registo do clube desde 1984/85: assim como o melhor registo de qualquer equipa no Campeonato desde o Benfica de 2012/13. Ainda assim, os 16 golos sofridos pelo FC Porto em 13 jogos são o pior registo dos dragões desde 1970/71, há 50 anos.

Taremi, o patinador que ofereceu uma escultura de gelo à ideia do treinador (a crónica do Famalicão-FC Porto)

Na flash interview, Sérgio Conceição defendeu que o FC Porto fez um “bom jogo”. “Controlámos e dominámos. Depois, com o resultado em 3-1, houve uma ou outra situação do Famalicão, mas nós tivemos sempre o jogo controlado. Tivemos bons momentos. Estamos satisfeitos, menos com o golo sofrido, mas faz parte. Parabéns aos jogadores, tanto aos que foram titulares como aos que entraram, pois deram um contributo muito importante para o sucesso da equipa”, explicou o treinador, que garantiu que as alterações que fez na segunda parte, onde tirou vários titulares de campo, estão relacionadas com “o jogo e este período” e não necessariamente com o Clássico com o Benfica, já na próxima sexta-feira.

“O Otávio jogou depois de um tempo ausente e era importante tirá-lo. Temos de ter cuidado com isso. O Sérgio [Oliveira] senti alguma fadiga. Não se trata de pensar noutros, mas neste jogo. Refrescando a equipa, dando outras coisas ao jogo. Meti o Pepe e depois gente com mais velocidade para a frente, como o João Mário e o Luis Díaz. Interpretaram bem o que queria e tivemos sempre o jogo controlado, gerindo aquilo de que me apercebi em função do estado dos jogadores”, acrescentou, reconhecendo que Corona “não estava muito bem” depois de apresentar algumas queixas na coxa logo na primeira parte. “Levou duas entradas fortes e ficou debilitado. Começámos o segundo tempo a pensar se podia ou não e ele disse que sim. Foi até não dar para mais e não valia a pena forçar”, terminou Sérgio Conceição, que esta sexta-feira igualou Jesualdo Ferreira enquanto terceiro treinador com mais jogos pelo FC Porto, com 188 partidas e apenas atrás de José Maria Pedroto e Artur Jorge.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine um ano por 79,20€ 44€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Verão 2024.  
Assine um ano por 79,20€ 44€
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Este verão, mergulhe no jornalismo independente com uma oferta especial Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver ofertas Oferta limitada