Entre as energias renováveis, a solar e a eólica dominam as atenções e são as que revelam um maior potencial. A eólica, sobretudo agora que aposta nos mega-aerogeradores colocados no oceano, surge como uma das mais prometedoras. Mas tem um problema, que se prende com a dimensão gigantesca de todas as suas peças, das pás cujas extremidades giram a velocidades incríveis, ao gerador em si mesmo, que é capaz de produzir 14 MW e há versões maiores a caminho.

Uma turbina eólica moderna de uma central offshore, de acordo com a Siemens, é capaz de produzir hoje 14 MW de energia (pode chegar aos 15 MW) e dentro de seis meses muito mais. Para tal, tem um rotor com pás cujo diâmetro ronda os 222 metros. Para se ter uma ideia, o tabuleiro da ponte sobre o Tejo está a 70 metros de altura e mesmo as duas torres não ultrapassam os 191 metros. Ou seja, 31 metros mais do que o ponto mais alto da ponte sobre o Tejo. Isto só para as pás, porque se considerarmos a altura total, pás mais estrutura de suporte, então a ponte de Lisboa parece uma miniatura.

7 fotos

Face à escalada de dimensões, a necessidade de encontrar uma solução para inspeccionar as pás e a estrutura dos aerogeradores tornou-se num problema difícil de resolver. Menos mal que empresas privadas e criativas assumiram o controlo da situação e criaram um “bicho” capaz de resolver o problema.

O fundador e CEO da BladeBug, Chris Cieslak, é um experiente desenhador de aerogeradores. Daí que esteja a par das necessidades destas mega instalações e concebeu um robô, que mais parece um bicho, com seis “patas” equipadas com ventosas que lhe permitem deslocar-se ao longo das imensas pás em busca de danos ou irregularidades, que possam ser reparadas antes de se tornarem num problema de fiabilidade no meio do oceano.

Com os robôs da BladeBug a libertarem os seres humanos de um trabalho tão exaustivo quanto perigoso, os “bichos” detectam pequenas imperfeições nas pás, reparando-as ou sinalizando-as para futura reparação. Esta empresa londrina tem-se revelado do maior interesse para a indústria das eólicas de offshore.