O presidente da Assembleia da República destacou esta segunda-feira, a futura relação da União Europeia (UE) com o Reino Unido, que se espera “frutuosa”, numa conferência dos Parlamentos da UE, a partir do Parlamento português, em formato virtual.

“Com muita tristeza, o Reino Unido não está agora entre nós”, lamentou Eduardo Ferro Rodrigues na sessão de abertura da Conferência dos Presidentes dos Órgãos Especializados em Assuntos da União dos Parlamentos da União Europeia (COSAC).

Em referência ao Brexit (processo de saída do Reino Unido da UE), Ferro Rodrigues afirmou ser necessário “assentar a poeira de um processo que foi tumultuoso”, esperando “continuar a trabalhar numa relação nova” com Londres.

Em reação, lorde Earl of Kinnoull, da comissão de Assuntos Europeus da Câmara dos Lordes, garantiu na sua intervenção que os parlamentares britânicos estão empenhados em “trabalhar numa nova relação” com os homólogos da UE.

“Ainda que com diferenças, estamos unidos por valores”, asseverou, agradecendo a Capoulas Santos, presidente da Comissão Parlamentar de Assuntos Europeus, “a oportunidade” de intervir na sessão.

Na sua intervenção, o presidente da Assembleia da República (AR) mencionou também a futura administração norte-americana, que será liderada pelo democrata Joe Biden, com quem Portugal “partilha valores” e pretende “fortalecer os laços atlânticos”.

Para isso, espera-se a cooperação do Presidente eleito dos Estados Unidos, que tomará posse no dia 20, na agenda multilateral para 2021, que tem previstos dois eventos: a 15.ª Conferência das Nações Unidas sobre Biodiversidade, que decorrerá na China durante o primeiro semestre de 2021, e a 26.ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, programada para Glasgow, na Escócia, entre 01 e 12 de novembro.

Ferro Rodrigues destacou ainda a organização parlamentar de três conferências durante a presidência portuguesa da UE, que decorre neste primeiro semestre: uma sobre o Pacto de asilo e migrações, outra sobre a relação UE-África e uma terceira sobre a democracia.

O presidente da AR alertou também para os perigos do “retrocesso democrático no mundo”, sendo necessários trabalhar “para que uma Europa mais forte e coesa”.

Esta é a primeira de 11 conferências interparlamentares previstas para a presidência portuguesa do Conselho da UE e os dois principais temas em debate são as Prioridades da Presidência Portuguesa e a Recuperação e Resiliência da UE, com a participação do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e da comissária europeia para a Coesão e Reformas, Elisa Ferreira.