Será no próximo dia 14 que o novo CEO do Grupo Renault, Luca de Meo, vai apresentar a Renaulution, nome dado à estratégia que o construtor francês vai abraçar e que pretende, por si só, enfatizar a evolução (ou revolução) que a marca do losango está a preparar. Já aqui escrevemos que a Peugeot será o alvo a abater, mas a Renault não pretende ficar por aí. Ao que parece, parte do plano passa por revisitar ícones do passado e trazê-los de volta à vida. Agora como eléctricos a bateria, tal como a Fiat fez com o novo 500e ou a Mini com o Cooper SE.

Nova estratégia da Renault aponta armas à Peugeot

Segundo avança a Reuters, citando fontes não identificadas, a Renault não se vai limitar a acrescentar à sua gama de eléctricos o novo Mégane, uma espécie de Captur a bateria (segmento B) com um espaço interior ao nível ou até acima do Mégane (segmento C). De acordo com a agência, a marca francesa pretende capitalizar a sua herança com o regresso de dois modelos bem conhecidos do seu passado: o 4L e o Renault 5.

Tudo indica que dois dos Renault mais vendidos de sempre, o 4L em primeiro plano e o 5 em segundo, vão voltar à estrada como eléctricos

Um e outro poderão ressurgir com uma estética mais moderna, mas perfeitamente identificável pelo público, em linha com o que a Fiat fez com o novo 500. Outra hipótese é que a marca do losango se concentre exclusivamente em recuperar a nomenclatura destes dois best-sellers em tempos idos – esta alternativa será menos provável, atendendo a que os clientes revelam apetência por modelos com uma estética mais rétro, bastando para tal ver a opção da Honda para se estrear nos 100% eléctricos.

Renault 5 pode estar de volta (e era bem-vindo)

Certo é que, sob os comandos de Luca de Meo, a estratégia de electrificação do grupo vai ser acelerada. O futuro Mégane será o primeiro modelo “tradicional” a reinventar-se e a ceder o seu lugar a um SUV puramente eléctrico, enquanto o Renault 4L e o Renault 5 a bateria devem beneficiar da aceitação que já tiveram para se voltarem a impor no mercado, nesta sua nova reincarnação. Basta lembrar que o 4L, por exemplo, continua a ser o modelo mais popular da Renault, passados 60 anos, com mais de 8 milhões de unidades vendidas globalmente…

Até ao momento, a Renault não comentou as informações avançadas pela Reuters, pelo que (ainda) não é oficial o regresso dos best-sellers dos anos 60 e 70. Tema que, possivelmente, veremos esclarecido na próxima quinta-feira. Certo é que a Renault já fez um one-off eléctrico com base no 4L e os designers têm revelado como “Le Cinq” e o “Super Cinq” são grandes fontes de inspiração para promover um regresso histórico.

As fontes ouvidas pela Reuters mencionam que também a Alpine introduzirá três modelos eléctricos, estando a ser equacionada, para os lados de Billancourt, a hipótese de converter a marca desportiva da Renault num construtor exclusivamente dedicado a eléctricos de alta performance.