Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foi um dia de informação contraditória sobre e para Marcelo Rebelo de Sousa. Primeiro, teve um teste positivo à Covid-19, que foi contrariado por dois outros posteriores, que não detetaram o novo coronavírus. Depois, foram as duas recomendações, em sentido oposto, das autoridades de saúde: ora podia ir ao debate presencialmente com os outros candidatos na RTP, ora tinha de ficar em casa e entrar por videoconferência. No fim, o atual Presidente da República disse-se “muito irritado” com as autoridades de saúde, por não ter recebido por escrito uma posição final sobre o que podia fazer.

Mas vamos por partes. Na quarta-feira passada, Marcelo Rebelo de Sousa teve conhecimento de que um membro da sua equipa, com quem teve contacto, testou positivo ao SARS-CoV-2. O presidente autoisolou-se, fez um teste, que deu negativo e, depois da indicação das autoridades de saúde de que tinha sido um contacto sem risco, voltou à ‘vida normal’, debates presidenciais incluídos.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.