Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Conferência Portuguesa Episcopal Portuguesa (CEP) determinou nesta quinta-feira a suspensão de celebrações como batismos, crismas e matrimónios devido “à gravíssima situação de pandemia” que o país vive atualmente.

Estamos conscientes da gravíssima situação de pandemia que vivemos neste momento, a exigir de todos nós acrescida responsabilidade e solidariedade no seu combate, contribuindo para superar a crise com todo o empenho”, pode ler-se num comunicado publicada no site do Conselho Permanente da entidade.

A CEP refere ainda que, de acordo com as orientações governamentais, “terão continuidade as celebrações litúrgicas, nomeadamente a Eucaristia e as exéquias” que devem decorrer segundo as orientações da Conferência Episcopal Portuguesa de 8 de maio de 2020, em coordenação com a Direção Geral da Saúde.

O CEP refere que os batismos, crismas e matrimónios só devem ser retomados quando “a situação sanitária o permitir”. Já a catequese “continuará em registo presencial onde for possível observar as exigências sanitárias”, caso não seja possível cumprir os requisitos, deve decorrer “por via digital” ou ser “cancelada”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Recomendamos ainda que outras atividades pastorais se realizem de modo digital ou sejam adiadas”, refere o comunicado.

António Costa anunciou esta quarta-feira um novo confinamento, a partir das 00h00 de sexta-feira, que permite a celebração de cerimónias religiosas, de acordo com as normas da DGS.

O diploma que renovou o estado de emergência até 30 de janeiro destaca que os efeitos da declaração não afetam “em caso algum” vários direitos, entre eles “a liberdade de consciência e religião”.