Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quando perguntam a Tiago Mayan Gonçalves há quanto tempo corta o cabelo com Tozé Veloso, um barbeiro do Porto que atualmente tem uma barbearia na zona da Foz, a resposta é esta: “Ui, desde sempre. Desde que me conheço”. O barbeiro puxa pela memória, recorda o primeiro corte do liberal que também quer “haircuts” nos gastos do Estado e apura o grau de precisão: “Há 36 anos”. Tendo em conta que o candidato à Presidência da República tem 43 anos, é “fazer as contas”, como dizia Guterres: desde os sete anos que Mayan não muda de barbeiro. “Uma vida”, diz o liberal.

O corte é sempre com Tozé Veloso. “É uma questão de lealdade”, diz Tiago Mayan Gonçalves, que esta quinta-feira começou a sua campanha com um corte de cabelo utilitário — “estava a precisar” — mas não só. A ação serviu também para alertar para a falta de apoios do Estado aos negócios que manda fechar com o confinamento, como “as barbearias, os restaurantes, as lojas, os ginásios”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.