Dois ateliês portugueses de arquitetura paisagista, F|C Arquitetura Paisagista e Proap, foram selecionados como finalistas da edição deste ano do Prémio Internacional da Paisagem Rosa Barba, com projetos em Lisboa e Antuérpia, na Bélgica, anunciou esta sexta-feira a organização.

Entre os onze projetos finalistas selecionados para a 11.ª edição do galardão, estão as obras do Parque Ribeirinho Oriente, em Lisboa, da F|C Arquitetura Paisagista (Filipa Cardoso Menezes e Catarina Assis Pacheco), e a Frente Fluvial Poente de Antuérpia, na Bélgica, do Proap (João Ferreira Nunes e Iñaki Zoilo), indica o sítio ‘online’ do prémio.

O Prémio Internacional Rosa Barba da Paisagem, organizado em parceria com a Fundação Banc de Sabadell, está integrado na Bienal Internacional de Arquitetura Paisagista, evento de referência nesta área, que se realiza desde 1999, em Barcelona, Espanha, e representa um dos máximos reconhecimentos relativamente a projetos no âmbito desta disciplina.

Os onze trabalhos foram selecionados por um júri internacional, entre mais de 200 candidaturas de profissionais espalhados pelo mundo, e os projetos dos ateliês portugueses concorrem ao lado de obras de arquitetura paisagista realizadas nos Estados Unidos, Reino Unido, Tailândia, Espanha, México, Colômbia e China.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A 11.ª Bienal de Arquitetura Paisagista em Barcelona, que deveria ter decorrido no ano passado, foi adiada devido às circunstâncias da propagação da pandemia Covid-19, e deverá decorrer no final de setembro deste ano, dedicada à crise global, ao seu impacto nos ecossistemas e às formas de o mitigar.

O prémio – que leva o nome em homenagem a Rosa Barba Casanovas (1948-2020), arquiteta considerada como pioneira e motor do paisagismo em Espanha – consiste num valor pecuniário de 15 mil euros, e na apresentação do projeto durante o congresso da bienal.