Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No próximo Qashqai, tudo será novo. Desde logo na atitude, uma vez que se espera um SUV mais próximo do conceito crossover, ou seja, mais civilizado e mais eficiente em asfalto, sem contudo virar as costas aos pisos de terra. Mas se isto motiva alterações estéticas, certamente visando tornar o modelo mais moderno e mais de acordo com a moda actual, as maiores novidades vão acontecer a nível das mecânicas.

A primeira decisão que certamente espantará uma parte considerável dos actuais clientes é o abandono dos motores turbodiesel, hoje os mais procurados. Mas a descontinuação desta versão bestseller só é possível porque o Qashqai de 2021 recorre a uma nova plataforma da Aliança Renault Nissan, a CMF-C, que permite a montagem de mecânicas electrificadas, ou seja, com um motor eléctrico e a respectiva bateria para ajudar o motor de combustão, de forma a reduzir consumos e emissões.

O Qashqai vai apostar sobretudo em dois motores a gasolina, com destaque para o denominado HR13 DiG-T, um 1.3 mild hybrid sobrealimentado que pode debitar 140 ou 158 cv, com este último a recorrer à tracção integral. Para o mercado europeu, faz todo o sentido adoptar igualmente a mecânica PHEV já disponível nos Renault Mégane, que ainda assegura vantagens fiscais e permite consumos reduzidos, desde que se recarregue a bateria sempre que possível.

Mas a maior novidade é o motor MR15, uma unidade 1.5 que curiosamente não está ligada às rodas. É a solução utilizada no Qashqai e-Power, que recorre a este motor a combustão exclusivamente como gerador de energia, uma vez que a única unidade responsável pela movimentação do SUV é o motor eléctrico de 190 cv e 330 Nm. Esta versão estará apenas disponível com duas rodas motrizes e deverá ser assumida como um híbrido, no limite um híbrido plug-in (PHEV), se a bateria que acumula a corrente gerada pelo MR15 for igualmente recarregável, apesar do seu funcionamento se assemelhar a um sistema REX, de Range Extender, ou seja, um extensor de autonomia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esta solução é similar à já utilizada pelos BMW i3 REX e Opel Ampera, entretanto descontinuados devido à evolução das baterias. Mas a Nissan afirma que o seu sistema e-Power lhe vai dar vantagens, tecnologia que já usa em modelos no Japão.