Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Na década de 60 houve a troca de Wilt Chamberlain dos San Francisco Warriors para os Philadephia 7ers. Nos anos 70, a ida de Kareem Abdul-Jabaar dos Milwaukee Bucks para os Los Angeles Lakers. Em 1980, a permuta de Robert Parish e escolhas de draft que envolveriam Kevin McHale entre os Golden State Warriors e os Boston Celtics. No final da década de 90, o negócio que levou Shaquille O’Neal também para os Los Angeles Lakers. Já este século, e entre as passagens de LeBron James dos Cleveland Cavaliers para os Miami Heat e mais tarde dos Cavs para os Lakers, a mudança de Kevin Garnett dos Minnesota Timberwolves para os Boston Celtics. Nos últimos 50 anos a NBA habituou-se a ter grandes “bombas” de mercado sempre com o objetivo de quem trocava de procurar o título de campeão e o mais recente foi James Harden, dos Houston Rockets para os Brooklyn Nets.

Harden junta-se a Irving e Durant nos Nets em super troca na NBA

A Barba, como também é conhecido pelo visual distintivo, foi a terceira escolha do draft de 2009 pelos Oklahoma City Thunders (onde chegou a ser companheiro de equipa de Kevin Durant, além de Russell Westbrook e Ibaka, entre outros) mas chegou a Houston apenas três anos depois. Foi aí que se tornou um dos melhores jogadores e marcadores da competição, com médias superiores a 25 pontos por jogo durante oito temporadas seguidas e que teve como ponto máximo os 36.1 em 2018/19. Nesse percurso estiveram a seu lado Dwight Howard, Trevor Ariza, Jason Terry, Eric Gordon, Chris Paul ou Russell Westbrook, trocado este ano para os Washington Wizards por John Wall. Problema? Foi o MVP da época em 2018, jogou oito vezes seguidas o All Star, liderou os melhores marcadores nos últimos três anos mas não ganhou o título. E entrou numa espiral de descrença.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Aos 32 anos, e depois de ter recusado aquela que seria a maior renovação de sempre na NBA com 103 milhões de dólares por dois anos de contrato, não apareceu a horas no arranque da época, esteve impedido de treinar devido ao protocolo sanitário da competição após ter sido “apanhado” em clubes noturnos, chegou com peso a mais e nos treinos teve mais do que uma altercação com companheiros. Em oito jogos disputados em 2020/21 levava uma média de quase 25 pontos por partida mas não estava “presente”. E as declarações após mais uma derrota dos Rockets frente aos Lakers (117-100) foram a gota de água para uma saída há muito anunciada.

Não somos suficiente bons. Adoro a cidade e literalmente faço tudo o que posso mas esta situação é uma loucura e não acredito que possa mudar. Não somos suficiente bons na química, no talento, em tudo. Acho que isso ficou claro nos últimos jogos”, assumiu o shooting guard.

A saída dos Houston Rockets revelou-se aquilo que a própria NBA descreveu como uma troca blockbuster, que envolveu quatro equipas, alguns jogadores e outras tantas escolhas do draft. Mais relevante que tudo, Harden foi para os Brooklyn Nets, juntando-se a Kevin Durant e Kyrie Irving numa equipa que passava a ter mais hipóteses de chegar à vitória na Conferência Este do que qualquer outra. E a estreia dificilmente poderia ter corrido melhor mesmo não contando com o base titular da equipa: Irving foi apanhado numa festa de aniversário com mais de 15 pessoas num espaço interior sem máscara e não só teve de pagar uma multa de 50.000 dólares por quebrar os protocolos sanitários como ficou sem o salário dos dias em que esteve de fora, numa sanção que no total chegou quase aos 900 mil dólares para alguém com um contrato de 33,3 milhões por temporada.

Na vitória por 122-115 frente aos Orlando Magic, James Harden foi o segundo melhor marcador da equipa com 32 pontos, apenas trás dos 42 de Kevin Durante, mas acabou como o melhor ressaltador (14) e passador (12), num triplo duplo que provou o quão temíveis se podem tornar os Brooklyn Nets. Para a antiga glória Shaquille O’Neal, “Harden será um fracassado se não ganhar com esta equipa”. O início, esse, não poderia ter sido melhor. E aquilo que ficou da noite de estreia além dos números foi mesmo a forma física do jogador, que depois de aparentar ter peso a maior nos jogos iniciais dos Rockets apareceu em pleno para a estreia pela nova equipa. “Tive momentos melhores e piores em Houston mas nunca tive a intenção de ofender a equipa. Expressei apenas o meu desejo sobre o que queria para a minha carreira e hoje estou feliz nos Brooklyn Nets”, destacou no final de um jogo onde foi o sétimo estreante de sempre a fazer um triplo duplo mas apenas o primeiro na casa dos 30 pontos.