Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os chineses são hoje os maiores fabricantes de painéis fotovoltaicos e um recente estudo publicado por uma das universidades de Xangai, a East China Normal, promete reforçar ainda mais a liderança. De acordo com os investigadores locais, depois de tratadas com C18H27NO3, as células fotovoltaicas vêem a sua capacidade de transformar luz solar em energia surpreendentemente incrementada.

Se C18H27NO3 não lhe diz nada, saiba que é a fórmula química da capsaicina, um composto químico natural que é igualmente o componente activo do piripiri, também conhecido por malagueta, gindungo ou chili.

Afirmam os cientistas que a capsaicina, uma vez aplicada nas células fotovoltaicas, incrementa a sua capacidade de transformar luz em energia, elevando a eficiência energética dos originais 19,1%, para 21,88%. Se não lhe parece um crescimento notável, é bom ter presente que representa um ganho de 14,55%, um salto que deverá ser superior ao conseguido nos últimos cinco anos neste sector, após muita investigação e desenvolvimento.

Tão importante quanto a melhoria na eficiência é o facto de a capsaicina ser um produto natural, sustentável, barato e muito abundante, o que é ouro sobre azul para esta indústria. Não se sabe como chegaram os técnicos chineses ao piripiri, como solução para os seus problemas, sendo curioso tentar adivinhar qual o condimento que se segue.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR