Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Num ano marcado pela pandemia, que moldou forçosamente muitos hábitos dos portugueses, as denúncias de cibercrime quase triplicaram face ao ano anterior. De acordo com o Público, em 2020 o Gabinete Cibercrime do Ministério Público recebeu 544 denúncias, das quais 138 foram encaminhadas para a abertura de inquérito. Em 2019 o mesmo organismo recebeu 351 denúncias.

Os dados que apontam para um aumento na ordem dos 182% fazem parte do relatório do Gabinete Cibercrime publicado em janeiro, o qual atribui o aumento de denúncias à mudança de hábitos dos portugueses devido às regras de combate à Covid-19. Em 2020, os portugueses foram sobretudo enganados devido a burlas através da aplicação MB Way, a campanhas de phishing e burlas referentes a relacionamentos pessoais estabelecidos à distância.

A violação da privacidade e divulgação online de dados pessoais estiveram ainda entre os crimes mais denunciados, sendo que para a lista entram ainda situações de stalking com recurso a tecnologias e de sextortion.

A maior parte das denúncias não deu origem a processos por falta de provas, sendo que foi no início da primavera de 2020, de março a maio, que o gabinete em questão recebeu um número elevado de  denúncias (em março foram recebidas 46 denúncias, em abril outras 131 e em maio 51).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR