Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No palco do Capitólio, em Lisboa, esta noite havia dois ‘M’, um deles era o próprio púlpito, ao contrário dos restantes comícios em que apenas havia um. Coincidência ou não, Marisa Matias dedicou a noite às mulheres, às vítimas de violência doméstica e a todas as que já sentiram medo. Mais do que isso, a candidata a Belém, que apenas tinha feito um comentário sobre os insultos de André Ventura, afinou o discurso para responder ao líder do Chega.

A eurodeputada lembrou os números: a cada semana uma mulher é assassinada ou vítima de tentativa de homicídio, todos os dias uma mulher é violada. É, diz, “a ponta do iceberg da violência quotidiana contra as mulheres”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.