Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No último dia morreram em média nove pessoas por hora com Covid-19. No total foram 218 as mortes registadas pela Direção Geral de Saúde, mais 51 que no dia anterior, fazendo desta terça-feira o dia com mais casos mortais em Portugal desde o início da pandemia, há dez meses.

Os números divulgados, que reportam ao dia anterior, portanto logo a seguir a um fim de semana em que normalmente o número de casos desce, porque há menos testes, mostram que neste momento as mortes por Covid-19 quadriplicaram em relação à segunda vaga da pandemia registada na segunda quinzena de novembro, quando a média de 59 mortes diárias já assustava.

Segundo dados disponibilizados ao Observador pela DGS, desde o início do ano já se registaram 2.274, em 67% das casos os infetados tinham mais de 80 anos, 20% estava na faixa etária dos 70 e 9% na dos 60 anos.

O boletim agora divulgado pela DGS mostra, por outro lado, que os números de novas infeções voltaram aos dias que antecederam o fim de semana e o próprio sábado e domingo, antes de o Conselho de Ministros fazer uma reunião extraordinária por perceber que as pessoas não se estavam a manter em casa e que tinham de ser tomadas medidas. Esta terça-feira os números indicam 10.455 novos casos de infeção registados nas 24 horas anteriores —passa a ser assim o 5.º pior dia da pandemia em número de casos e o 8.º com mais de 10 mil.
A cada hora foram internados cinco doentes com Covid-19

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Com os relatos diários de filas de ambulâncias nos hospitais e no dia em que o Hospital de Portalegre abriu um inquérito à morte de um idoso numa ambulância, depois de uma espera de quase três horas para ser atendido e de sintomas como falta de ar, é importante olhar para o número de internamentos. Neste momento estão 5.291 doentes com Covid-19 internados, são mais 126 do que no dia anterior. 670 estão internados em Unidades de Cuidados Intensivos, são mais seis que no dia no anterior.

Desde o primeiro dia deste ano de 2021, em que se registavam 2806, que os internamentos em enfermaria estão a subir. Em 19 dias são mais 2465 internamentos, o que significa uma média de 130 por dia e de 5,4 por hora.

Os internamentos em Unidades de Cuidados Intensivos sobem consecutivamente há seis dias, desde dia 14 janeiro  são mais 59 os internados neste serviço, onde são colocados os doentes em estado mais grave e que precisam de ventilação.

Ainda assim parece haver uma ligeira redução no número de casos ativos. Nas últimas 24 horas eram 135.841, menos 45 casos do que no dia anterior, segundo o boletim diário da Direção Geral da Saúde.

As autoridades de saúde têm ainda 174.355 pessoas em vigilância e registam, para já, 421.871 doentes recuperados.

Lisboa e Vale do Tejo continua a ser região com mais casos

A região de Lisboa e Vale do Tejo é a que continua a registar maior números de novas infeções, com 5.012 novos casos de infeção (mais 2.643 que nas 24 horas anteriores). Segue-se o Norte com 2970 novos casos (um aumento de 861). No Centro (1605) e no Alentejo (531) também foram registados aumentos.

Em Portugal continental só a região do Algarve viu os números de infeção descerem de 239 para 198 novos casos.

Açores e Madeira também tiveram uma redução de números. Nos Açores foram registados 39 novos casos (menos 60) e na Madeira uma centena (o que significa menos 37).