O Governo autorizou o Centro Hospitalar do Oeste (CHO) a lançar o concurso, no valor de 1,6 milhões de euros, para remodelar a urgência de Torres Vedras, no distrito de Lisboa, disse esta quarta-feira a administradora hospitalar.

Elsa Baião disse à agência Lusa que, depois da autorização do Ministério da Saúde, o CHO teve agora o visto do Ministério das Finanças.

Em julho de 2019, o CHO já tinha obtido autorização do Governo para a empreitada, mas necessitou de rever o projeto de arquitetura, o que obrigou também a rever o custo da obra, que aumentou de 1,3 milhões de euros para 1,6 milhões de euros, explicou.

Após a nova autorização dos dois ministérios, o CHO tem “tudo pronto” para poder lançar a empreitada a concurso, acrescentou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O projeto contempla a remodelação da urgência, onde há “muitas deficiências e o espaço é desadequado”, criando “melhores condições para os utentes e para os profissionais”.

A urgência vai ser ampliada para o espaço do atual refeitório, aumentando para essa zona a área da sala de observação. O refeitório vai ser transferido para outro local do edifício. Vão também ser feitas obras nas instalações sanitárias dos utentes no internamento dos serviços de cirurgia e medicina.

Com um prazo de execução de ano e meio, a intervenção é financiada em 25% por fundos comunitários, estando a candidatura já aprovada.

O Centro Hospitalar do Oeste integra os hospitais de Torres Vedras, Caldas da Rainha e de Peniche e serve cerca de 300 mil habitantes daqueles três concelhos, assim como de Óbidos, Bombarral, Cadaval e Lourinhã e parte dos concelhos de Alcobaça (freguesias de Alfeizerão, Benedita e São Martinho do Porto) e de Mafra (com exceção das freguesias de Malveira, Milharado, Santo Estêvão das Galés e Venda do Pinheiro).